Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Dependência

Sentido. As palavras não têm sentido, falta-lhes lógica. Nós damos essa lógica. O mundo carece dessa componente. Falta-lhes tudo, mas principalmente sentido. Na realidade, não há certo nem errado, nós é que lhe damos essa avaliação. Não existe falhas, pois é o Homem que lhes dá essa condição…

E se esse pensamento estiver enganado? No fundo, se o certo for errado e o errado for certo. Isso pode muito estar a acontecer. Se não passarmos de seres ilógicos que procuram a coerência, mas que nunca conseguem atingi-la, nem sequer aproximar-se a ela. Passamos a ser apenas e só animais? Mas nós continuamos a sê-lo! Queremos guerras, conquistas e mortes. Não evoluímos, só perdemos a cada dia que passa.

No entanto, a sociedade actual diz que progredimos que estamos numa nova era. A da tecnologia. Que o mundo vai mudar, que tudo vai ficar e ser melhor. E nós acreditamos. Prestamos vassalagem às máquinas, como se elas fossem a nossa salvação, mas são a nossa perdição! Estamos iguais, apenas mais mortíferos e sozinhos. Está tudo fora do controlo. Com a tecnologia perdemos o outro, perdemo-lo e só ganhamos o EU. Eu posso, eu faço, eu mando, eu isto e aquilo! E o nós? E tu, onde andas? Desapareceste, escondeste-te, deixaste-te apenas consumir…

Desaproveitamos a mobilidade, o amor e a vida. Tudo se transfigura numa deflagração de solidão e isolamento, na qual sistematicamente é utilizado o mesmo registo: o esquecimento. É esse o preço do egoísmo e o egocentrismo cada vez mais patente na sociedade actual.

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

"Os Grandes Portugueses" (5) - Salazar

Nome: António de Oliveira SALAZAR

Data e Local de nascimento: Viseu, 28 de Abril de 1889

Data e Local da sua morte: Lisboa, 27 de Julho de 1970

Profissão que se notabilizou: Politico

 

Feitos importantes:

  • Em 1910, mudou-se de Viseu para Coimbra para estudar Direito, tendo quatro anos depois concluído o curso de Direito com a alta classificação de 19 valores. Torna-se, dois anos depois, assistente de Ciências Económicas.
  • Foi ministro das Finanças entre 1928 e 1932, sendo que em 1932 e 1968, foi o político que dirigiu os destinos de Portugal, como Presidente do Conselho de Ministros.
  • Foi fundador e chefe da União a partir de 1931 e fundador do Estado Novo (1933-1974).
  • Salazar cria o Estado Novo, uma ditadura anti-liberal e anti-comunista, sendo as suas bases: Deus, Pátria e Família.
  • Foi afastado do Governo em 1968 após ser vitimado por um hematoma craniano, que lhe causou danos cerebrais graves, após uma queda a 7 de Setembro de 1968.

 

Ligações externas:

http://www.oliveirasalazar.org/default.asp

 

A última cruzada

Nos tempos áureos da Roma antiga, a Segunda Legião semeava o terror. O exército sanguinário conquistava tudo e todos. Ninguém ficava impune à força e conquista da arma secreta mais temível do majestoso Império Romano.

A legião criada pelo imperador Marco Aurélio encontrava-se parada perto do Danúbio, local próximo dos seus rivais mais temíveis: os germânicos. As suas tribos galgavam cada vez mais terreno, aproximavam-se a cada dia que passava. O embate era inevitável! Os generais romanos esperavam uma forte investida e preparavam-se tacticamente para defender o seu território.

Ao fundo já se ouvia os gritos bárbaros, que gelavam o mais corajoso guerreiro. No entanto, a Segunda Legião não se reprimia com qualquer tipo de intimidação. A força psicológica romana estava preparada para colocar a pátria à frente de tudo. Vinha aí um grande assalto, o ataque final. Por fim, a última cruzada.

Nas florestas próximas, Marco Crato, experiente e destemido centurião, esperava o povo bárbaro junto com a sua infantaria. Encontravam-se num lugar estratégico para fazer uma emboscada que promovesse uma vantagem fundamental numa luta que se esperava sangrenta. O futuro do combate estava naquela movimentação e o peso da responsabilidade estava bem patente nas faces daqueles homens

As tribos germânicas aproximavam-se cada vez mais, os gritos de guerra estavam cada vez mais próximos. Caminhavam insaciados de guerra e de sangue. Os rostos romanos começavam a ficar fechados e apreensivos. O grupo com cerca de duas centenas de homens preparava-se para o embate. As afiadas espadas começavam a ser empunhadas e as flechas eram rapidamente colocadas nos arcos.  

- Chegou finalmente a hora! É o tudo ou nada, é o momento de demonstrar que a Segunda Legião é a alma e o coração do Império Romano! – exclamou o centurião, tentando motivar os seus elementos num baixo tom de voz - Somos capazes de vencer qualquer obstáculo, este é apenas mais um, é o que nos separa de sermos imortalizados! Seremos imortais para sempre nesta batalha!

Ultrapassar aquele confronto acabaria de uma vez por todas com o poder de fogo das problemáticas tribos germânicas e confirmava a hegemonia romana na Europa. Por sua vez, a derrota seria o fim de uma era. E o declínio do mito da invencível Segunda Legião. 

- Aos vossos postos! Quero o sangue deles a correr pelas vossas espadas! – explodiu, enquanto ajeitava o seu distinto elmo.  

Os descoordenados passos estavam cada vez mais perto dos comandados de Marco Crato. O imundo bafo dos bárbaros já se fazia sentir. As lâminas tilintavam, enquanto se movimentavam para atacar a armada romana. Os musculados corpos começavam a aparecer.  

- Vamos mostrar a todos que somos os mais fortes, somos o exército imbatível. Vamos ser milhares numa só força, a garra para esta vitória final. Juntos num só objectivo: a conquista eterna. Ao ataque! – gritou o experiente centurião.

As lanças trespassaram o corpo de dezenas de germânicos surpreendidos com o ataque surpresa. O medo paralisou-os. O terror estava estampado na sua face, demonstrando que sabiam que a morte estava próxima… 

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Questões inevitáveis (5)

A tecnologia é o debate da quinta edição das Questões inevitáveis, aqui n’ Um Mar de Recordações. Já sabem que esta iniciativa tem como intuito o diálogo com os leitores/utilizadores, colocando várias perguntas sobre as temáticas da actualidade, percebendo dessa forma a vossa opinião perante essas questões.

A tecnologia veio ajudar a humanidade com recursos fantásticos, tudo se tornou mais fácil com as máquinas. Um trabalho que poderia durar horas, agora é facilmente realizado em poucos minutos. Contudo, o aparecimento de diversos instrumentos permite a sedentariedade, talvez um dos grandes perigos da sociedade actual. A verdade é que o uso da tecnologia tem aumentado de forma intensa e agora parece que nada se consegue fazer sem ela. Será verdade que a tecnologia se tornou assim tão determinante? E tu, qual é a tua opinião?  

 

Actualmente é possível viver sem tecnologia? Porquê?

 

Harry Potter: um fenómeno literário mundial

Chega aos cinemas na próxima semana Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, o derradeiro filme daquele que foi um dos maiores sucessos literários e cinematográficos da história mundial.

Esta é a história de um jovem feiticeiro, chamado Harry Potter, que entra numa escola mágica e que enfrenta várias peripécias ao longo da sua formatura, sendo a maior o confronto com o maior feiticeiro negro de todos os tempos, Lord Voldemort. Esse feiticeiro matou os pais de Harry e tentou proceder ao assassinato do jovem feiticeiro quando ele ainda era um bebé, mas algo correu mal e o feitiço virou-se contra Voldemort.

Após o renascimento da magia negra e o surgimento da nova era de Voldemort, o momento do confronto final, finalmente, chega. Num duelo extremamente pessoal, onde só um pode ficar vivo. Será então que a magia negra irá sucumbir a verdadeira magia (a magia do amor)? É essa a questão que será respondida nesta película.

Esta aventura está dividida em sete livros, escritos pela agora famosa J. K. Rowling, onde são acompanhadas as aventuras e desventuras deste jovem feiticeiro e dos seus grandes amigos: Ron e Hermione. Graças ao grande sucesso dos livros, Rowling tornou-se mesmo a mulher mais rica na história da literatura.

Apesar do primeiro livro ter sido publicado em 1997 em Portugal, esta aventura só começou a fazer-se notar com o lançamento do primeiro filme da saga (2001): Harry Potter e a Pedra Filosofal. O inicio da aventura que levou a uma das maiores correrias aos cinemas de sempre, tornando-se um dos filmes mais vistos a nível mundial e nacional.

A partir do momento em que o filme passou pelas telas internacionais, os livros tiveram uma procura enorme. Harry Potter e a Câmara dos Segredos; Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban; Harry Potter e o Cálice de Fogo;Harry Potter e as Relíquias da Morte, Harry Potter e a Ordem de Fénix; Harry Potter e o Príncipe Misterioso foram os restantes volumes, numa série que vendeu mais de 450 milhões de exemplares, em mais de 67 línguas.

Com a notoriedade que este sucesso atingiu foram aparecendo algumas críticas, a mais mediática foi talvez a da igreja católica. O Papa Bento XVI defendia que esses livros desvirtuavam “a cristandade da alma”. Contudo, nada abalou a fama que este jovem e as controvérsias trouxeram ainda mais curiosidade aos leitores.

Harry Potter não foi só um livro e um filme, foi sim todo um mundo construído. Um estrondosa série que levou muitas horas de imaginação tanto a jovens como a graúdos. Assim, o final da saga é só o princípio de uma história que, seguramente, irá permanecer com um dos grandes clássicos da literatura mundial.

 

 

Imagem espontânea (5)

Na edição deste mês, d’ "Imagem espontânea", dispomos mais uma vez da beleza que existe por todo o distrito de Setúbal. No que concerne a esta fotografia, ela foi tirada na praia do Portinho da Arrábida, enquanto estava a recolher algumas fotos para um trabalho de fotojornalismo para a minha licenciatura em Comunicação Social.

O Portinho da Arrábida é uma pequena aldeia localizada na Serra da Arrábida, que pertencente à freguesia de São Lourenço, concelho e distrito de Setúbal. Recomendo este espaço, uma vez que a praia é um espaço muito bonito que tem vindo a ser melhorado e requalificado e que, claro, é óptimo para dar um bom mergulho com estes belos dias de sol.   

 

 

 

“Gaivota. Espuma instável. Líquida turquesa: inunda os olhos a marinha na parede.” (Yeda Prates Bernis)

Vontade de ser melhor

Vontade de ser melhor. Esse é o meu desejo eterno, talvez mesmo a minha obsessão. Não me canso de me querer aperfeiçoar, dou sempre tudo aquilo que tenho! Com uma ambição que nunca acaba, não desisto, nunca me dou por vencido. O desejo de vencer é incansável, numa determinação intensa para fazer toda e qualquer tarefa. Só descanso até o objectivo ser cumprido. Luto constantemente. A motivação cresce com os desafios, sempre com o intuito de progredir, de ser melhor a cada minuto que passa. A meta está sempre estipulada: conseguir ultrapassar-me a mim mesmo.

Deixo para lá as minhas fraquezas e torno-as a força do amanhã. Tento reinventar-me diariamente, pois sei que só assim posso continuar a crescer. Não crio barreiras, os problemas apenas existem para serem ultrapassados. Desafio-me constantemente. Nada melhor do que apostar na evolução, no crescimento pessoal. Esta ambição tem crescido cada vez mais, a vontade incessante de ser melhor. Apenas quero atingir todo o meu potencial, penso que não seja defeito esta vontade constante. Admito essa é a minha ambição, o meu grande desejo!  

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em: