Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Páginas Folheadas (5) – Amor de Perdição

Um dos clássicos da literatura portuguesa é o grande destaque do 'Páginas Folheadas' deste mês. A referência é feita a Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco, um romance publicado em 1862. A obra é um dos expoentes do período do Romantismo em Portugal. A obra foi alvo de várias adaptações cinematográficas, a que teve mais importância foi o filme realizado por Manoel de Oliveira em 1979.

A redacção dessa obra foi inspirada em fatos reais, vividos pelo tio de Camilo Castelo Branco, Simão António Botelho, preso por homicídio na Cadeia da Relação do Porto. O romance aborda duas famílias nobres – os Botelho e os Albuquerque – vêem o ódio mútuo ameaçado pelo amor entre Simão Botelho e Teresa Albuquerque. O amor este casal improvável é contrariado pelo mundo exterior que vai levantado inúmeros obstáculos. Há uma clara batalha entre duas gerações completamente distintas. Será que o sentimento vai sobreviver ou vão ser consumidos pela perdição?

Um livro com um forte traço shakespeareano, Amor de Perdição é uma obra muito equilibrada e com um enredo forte e directo. Durante a obra, Camilo Castelo Branco escreve de forma primordial uma luta entre o amor e o ódio. Ao longo das páginas, não nos deparamos com um número excessivo de personagens, na verdade são as suficientes para que a acção se desenrole. O espaço caracterizado pelo ambiente social, numa sociedade provinciana na região da Beira Alta. É importante referir também a linguagem adequada presente ao longo da história, com um tom de ironia fortemente utilizado. 

 (Se ficaste interessada/o no livro, clica na imagem para comprar)

 

 

Já leram ou tem curiosidade de ler este livro? Tem interesse pela literatura portuguesa? Eram capazes de ir contra a vossa família por um verdadeiro amor?

O 'Um Mar de Recordações' agora tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

        

Um pequeno encontrão do destino

“Desculpe, quer alguma coisa?”, disse uma jovem loira que não devia ter mais de vinte anos. Fitava aquele homem com um olhar inquisidor, olhando-o fixamente. Por seu lado, Rodrigo Fernandes ficou com as esperanças despedaçadas. Desejava com todas as forças que aquela mulher fosse o seu antigo amor, mas quando a ouviu falar percebeu rapidamente que não era a mesma pessoa. As feições eram muito semelhantes, estranhamente parecidas, mas as parecenças ficavam por aí. Ainda assim não deixou de ter a sensação que conhecia aquela pessoa de algum lado…
Rodrigo Fernandes suspirou longamente. Voltou à realidade e desculpou-se embaraçado por aquele gesto intempestivo. Regressou à sua mesa e bebeu o mais depressa que conseguiu o seu café matinal. Rapidamente mergulhou naquela espiral depressiva. A ténue esperança tinha sido abruptamente arrasada com a dura realidade. Poucos minutos depois, pagou a conta e começou a dar passos apressados para sair daquele estabelecimento. Queria sair daquele lugar o mais rápido que conseguia, estava chateado consigo próprio por aquela atitude infantil.
Ia abrir à porta quando embateu em alguém, o que o fez fechar os olhos com uma dor intensa na cabeça. Massageou instantaneamente o local que lhe doía. Só depois reparou na pessoa que estava no chão atordoada. Os seus olhos arregalaram, agora não tinha dúvidas. Diante de si estava Maria Branco, a sua antiga namorada. Ela olhou-o com aqueles intensos olhos e rapidamente o reconheceu. Largou um pequeno sorriso. “O que estás aqui a fazer?”, perguntou Rodrigo Fernandes no chão, sem fazer qualquer tentativa de levantar-se. “Vim ter com a minha irmã…”, respondeu-lhe naquele tom de voz doce, apontado para a mesa da jovem que tinha interpelado há bem pouco tempo. Deu um pequeno esgar, aquela era a pequena Rita Branco, a sensação que tinha tido estava então correcta.
Permaneceram no chão a tocar algumas palavras, era óbvio que havia uma conexão quase instantânea, normal numa relação que tinha durado cinco anos. Maria Branco convidou-o a ficar mais um pouco, aquele pedido era tudo o que ele desejava. Sem esconder a tristeza, teve de recusar. Não tinha outra hipótese, pois estava a começar a ficar atrasado para o trabalho. Prometeram combinar um café para o dia seguinte, o seu coração batia a mil a hora. Rodrigo Fernandes deu-lhe um cartão com o seu número, as suas mãos tocaram-se. Havia uma ligação que não podiam negar… Foram os dois em direcções opostas, no dia seguinte acabariam por ter um intenso e inesquecível encontro…

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3

Aqui está a segunda parte do conto numa votação disputada! Com 33 votos (52% da votação) num universo de 63 leitores votantes, a continuação escolhida foi que o Rodrigo Fernandes encontrasse a sua antiga namorada. Decidi dar continuidade à história para uma terceira e derradeira parte! O 'Um Mar de Recordações' agora tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

        

"Os Grandes Portugueses" (29) – Marquês de Pombal

Nome: Sebastião José de Carvalho e Melo (conhecido como MARQUÊS DE POMBAL)

Data e Local de Nascimento: Lisboa, 13 de Maio de 1699 

Data e Local da sua Morte:  Pombal, 8 de Maio de 1782

Profissão que se notabilizou: Estadista 

 

Feitos importantes:

  • Foi embaixador de D. João V nas cortes inglesa e austríaca. Embora sem significativo sucesso para Portugal, estas missões foram importantes para a formação política e económica de Sebastião José de Carvalho e Melo. Em 1750, com a subida ao trono de D. José, foi nomeado secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra.
  • A sua grande capacidade de trabalho e de chefia revelou-se na forma como encarou o trágico terramoto de 1755, momento a partir do qual se tornou o homem de confiança de D. José I. A partir daí empenhou-se fortemente no reforço do poder régio, diminuindo o poder de algumas casas nobres.
  • A 13 de Janeiro de 1759, acusados de tentativa contra a vida do rei, o duque de Aveiro, o marquês de Távora e a sua mulher foram torturados e executados em acto público. Expulsou e confiscou os bens da Companhia de Jesus devido a serem um entrave ao fortalecimento do poder régio. Em 1759, recebe o título de conde de Oeiras e, em 1769, o de marquês de Pombal.
  • As dificuldades económicas no Reino, provocadas sobretudo pela interrupção na exploração do ouro brasileiro, obrigaram o marquês a retomar a política de fomento industrial. Reformou o ensino, anteriormente nas mãos dos Jesuítas, através da adopção de novos métodos pedagógicos e da criação de novas escolas. Reformou a administração, as finanças e o sistema militar.
  • Cometeu vários abusos do poder, o que lhe valeu a antipatia e a criação de inúmeros inimigos. Com o falecimento de D. José I, a oposição ao marquês tornou-se muito activa. Exilado em Pombal, o marquês defendeu-se atribuindo responsabilidades ao rei D. José I. Atendendo à sua idade avançada, 80 anos, foi apenas condenado a viver afastado de Lisboa…

Qual é a tua opinião sobre uma das figuras mais controversas em Portugal? As suas decisões foram ou não importantes para o desenvolvimento do país?

O 'Um Mar de Recordações' agora tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

        

Uma vida sem rumo...

Acordara particularmente nostálgico, sentia que tudo na sua vida fora desperdiçada . Apesar de estar no emprego de sonho não se encontrava satisfeito, estava sem rumo. Sentia-se sozinho, não tinha ninguém que considerava um verdadeiro amigo. Já não tinha namorada há mais de dois anos, estava desequilibrado emocionalmente. Na noite anterior tinha sonhado com o seu primeiro e verdadeiro amor. Era estranho como ainda recordava todos os seus traços como se a tivesse visto há poucos dias…

Viveram um intenso romance durante cinco anos, pareciam ser feitos um para o outro. Até que ela foi para uma universidade em Inglaterra, o que ditou o fim do relacionamento. Ficou despedaçado quando ela partiu. Depois disso, a sua vida perdera o rumo. Apenas sobrevivia sem grande garra, provavelmente seria por causa disso que todas as outras relações tinham corrido mal. Nunca se esforçava verdadeiramente para que elas tivessem um final feliz. Na verdade, começava a perder a esperança que isso alguma vez acontecesse...

Deu um longo suspiro, como é que a sua vida tinha chegado aquele ponto? Saiu para tomar um café para despertar os sentidos, avançava num passo lento e descoordenado . Aquele ia ser um dia complicado de lidar. Entrou no estabelecimento e sentou-se no lugar do costume. Esperou pelo seu café matinal. Aquela era a sua rotina há tanto tempo que já não precisava de pedir. Olhou despreocupado para as pessoas que estavam no café. Engoliu em seco. A poucos metros de distância estava uma loira. Aquele cabelo… Poderia ser? Não queria acreditar nisso, levantou-se e foi tirar as dúvidas…

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3
Como queres que acabe esta história?
  
pollcode.com free polls 

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Questões inevitáveis (30) – Graffiti

Ao sairmos a rua, é difícil encontrar uma lugar impune de grafftis . Alguns chamam-lhe arte, outros vandalismo. De facto, a arte urbana está cada vez mais forte e multiplica-se por todo o lado, independente dessa actividade ser proibida por lei. A verdade é que este um debate controverso e que dificilmente conseguimos ficar alheados.
Considera-se grafite uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade, normalmente um espaço público. Podem ficar surpreendidos , mas os primeiros graffitis surgiram na antiguidade (Egipto, Grécia e Roma), altura em que já havia inscrições feitas em paredes. O crescimento mediático surgiu nos anos 60 como suporte para inscrições de carácter poético e político. Deu-se também uma proliferação de estilos estando também associados a diferentes movimentos e tribos urbanas, como o hip-hop, e a variados graus de transgressão.
Dentro dos seguidores desta cultura, Jean-Michel Basquiat tornou-se um dos mais famosos, ganhando a fama de neo-expressionista com os seus trabalhos nas paredes dos prédios abandonados de Manhattan. O norte-americano acabou por tornar-se um dos mais significativos artistas do final do século XX, apesar de ter morrido apenas com 27 anos. Aliás, a imagem de hoje é um dos trabalhos deste nova-iorquino.

Afinal o graffiti é uma forma de arte ou puro vandalismo? Qual acham ser a razão para o seu crescimento?

O 'Um Mar de Recordações' chegou ao bonito número de 300 seguidores no Sapo Blogs. O meu obrigado a todas as pessoas que tem apoiado este projecto ao longo dos anos. Tem sido uma viagem fantástica! Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

     

A importância de sonhar…

Os sonhos comandam a vida, vivemos para eles. Alimentamo-nos de sonhos, somos na verdade controlados por eles. Fazemos uma vida inteira em busca dos nossos verdadeiros desejos, desses objectivos a que nos propomos. Passamos o tempo a desejar algo, por vezes acabamos mesmo por nos esquecer de aproveitar o que a vida nos deu… A toda a hora queremos ardentemente chegar a esse ambicioso patamar, mas só acabamos presos por essa obsessão gritante. Mas afinal tudo isto não passa de pensamentos útopicos?

Na verdade, não passamos de um ser insatisfeito por natureza… O que fazemos? Continuamos a sonhar! É importante estar sempre fazê-lo, pois é esse desejo que nos vai aproximando progressivamente dos nossos objectivos. O melhor é simplificar e nunca desistir, tudo acaba por se concretizar. Uma oportunidade vai aparecer, é só preciso estar pronto para ela… Convenhamos nada sabe melhor do que chegar ao local que sempre quisemos, aquele que realmente nos completa. Nessas situações a única coisa que podemos fazer é aproveitar o momento! Devemos sempre valorizar os nossos sucessos, muitos ou poucos são fruto do nosso trabalho. De facto, não há vitória maior que atingir os nossos sonhos!

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Ao som de… (29) – Bon Jovi - Always

O ‘Always’ dos Bon Jovi é o destaque da nova edição da rubrica ‘Ao som de…’. Esta é uma banda de rock norte-americana formada em 1983 em New Jersey. Ate hoje, o grupo norte-americano garantiu um grande sucesso comercial -  já vendeu mais de 130 milhões de cds! Elogiados pela crítica, os Bon Jovi foram induzidos no UK Music Hall of Fame (2006) e receberam o prémio de mérito no American Music Awards (2004). O grupo norte-americano é ainda pioneiro na gravação de álbuns acústicos no estilo do MTV Unplugged.

A banda conhecida por um estilo de música muito próprio é constituída por Jon Bon Jovi, Richie Sambora, David Bryan e Tico Torres. Com um sucesso prometedor, foi a partir de 1986 que atingiram o reconhecimento mundial com o seu terceiro trabalho – o inesquecível Slippery When Wet . Ao longo da sua carreira, o conjunto de rock já produziu doze álbuns de estúdio, três compilações e dois álbuns ao vivo. Com uma enorme falange de fãs, esta banda já fez mais de 2700 concertos em cerca de 50 países. Além disso, em 2009, Jon Bon Jovi e Richie Sambora foram nomeados para o Songwriters Hall of Fame.

No que concerne à faixa ‘Always’, foi lançado em 1994 no álbum Cross Road. Uma balada intemporal em que ficamos completamente hipnotizados. Este foi um dos singles de maior sucesso dos Bon Jovi com mais de quatro milhões de cópias vendidas a nível mundial. Inicialmente a música até era para ser lançando na banda sonora do filme Romeo Is Bleeding (1993), mas a banda acabou por recuar nessa ideia. A decisão revelou-se acertada, até porque a longa-metragem revelou-se um autêntico fiasco. O grupo decidiu então lança-lo um ano mais tarde. A música tornou-se um sucesso instantâneo ao atingir o topo das tabelas musicais por todo o mundo…

Quem é fã da balada ‘Always’? Qual é a vossa música preferida dos Bon Jovi?

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em: