Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Questões inevitáveis (37) – O monopólio do futebol

O Benfica e o FC Porto empataram sem golos em partida referente à 30.ª jornada do campeonato português. Uma repartição de pontos que provavelmente vai dar o bicampeonato às águias que partem para as últimas quatro jornadas com três pontos de vantagem. Este foi a grande notícia de ontem! Grande parte do país quase que parou para ver esta partida, o encontro foi tema de conversa número um em qualquer lugar. Como sabem sou um enorme fã de desporto, portanto eu próprio vibrei com o clássico. Confesso que vou fazer um pouco de advogado do diabo neste post até porque trabalho em... jornalismo desportivo. Mas não consigo deixar de me questionar se o futebol não tem demasiado tempo de antena na sociedade. Talvez tenha ganho uma preponderância central problemática e perigosa. Se percorrermos as grelhas dos canais noticioso somos bombardeados com inúmeros programas para discutir cada segundo de um jogo. Talvez esse tempo devesse ser melhor aproveitado com outros programas com índoles diferentes. É verdade que o futebol dá imensa audiência a um canal, mas também sou da opinião que é preciso encontrar espaços onde devem ser discutidos assuntos de maior relevo. Na minhas perspectiva, falta diversidade. Pior, não há procura por maior informação. Daí considerar ser necessário incentivar cada vez mais à produção de programas culturais, dando-lhe uma nova roupagem que incentive a visualização de todas as pessoas.   

16.04-Benfica-vs-Porto.jpg

 O futebol domina demais a sociedade? Há demasiados programas de desporto na televisão? É preciso uma mudança de paradigma?

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

O primeiro mergulho do ano

O sol brilhava em todo o seu esplendor, o tempo estava simplesmente extraordinário. Olhou em volta. Á sua frente tinha uma praia completamente deserta. A Primavera tinha-o brindando com um dia fabuloso. Largou um rasgado sorriso. Não conseguia esconder a felicidade, aquela are a imagem perfeita. Não podia ter tido um melhor dia de folga do escritório. De alguma forma sentia que estava no seu pequeno paraíso, o seu refúgio que procurava quando queria afastar-se do mundo repleto de stress em que vivia. Sentiu uma pequena brisa, fechou os olhos e aproveitou aquela situação furtuita. Queria que aquele momento permanece-se eternizado na sua mente. Lembrar-se daquela serenidade. Abriu os olhos. Largou os chinelos e roupa junto ao carro e começou a correr pelo areal. Nem a água fria o parou. Deu um longo mergulho, o primeiro do ano. Submergiu à superfície, satisfeito pelo seu plano ter corrido como desejava.

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Páginas Folheadas (9) – Aposta nacional

Quando vos disse que neste mês o Um Mar de Recordações ia ter bastante enfoque na literatura não estava a brincar. Hoje temos mais uma rubrica das Páginas Folheadas onde deixo algumas recomendações de livros que merecem ser lidos! Espero que estejam a gostar deste Abril de muita literatura, em caso afirmativo digam na caixa de comentários se querem que continue a produzir este tipo de posts. A nova edição desta rubrica aborda a temática dos autores nacionais. Na minha perspectiva, é importante cada vez mais preservar e elogiar aquilo que é produzido pelos escritores portugueses. A cultura é um dos pilares da sociedade e mara a história de um país. Apostar na cultura é sempre algo seguro! Assim, é essencial apoiar a arte que é produzida em Portugal seja ela na literatura, na música ou no audiovisual. Vamos então às minhas sugestões:

Os Maias – Publicado em 1888 por Eça de Queiroz, os Maias é uma obra que descreve a história de uma família ao longo de três gerações, dando especial destaque ao amor incestuoso entre Carlos da Maia e Maria Eduarda. Repleta de discrições, é um fiel retrato da sociedade portuguesa na segunda metade do século XIX. O importante é não ficar intimidado com as primeiras páginas!

Mensagem – A única obra de Fernando Pessoa em vida foi publicada no ano de 1934 (um ano antes da sua morte). Composto por 44 poemas, este livro retrata do glorioso passado de Portugal e a decadência existente na época em que o livro foi escrito. Uma leitura que leva a uma enorme reflexão do leitor. Destaco principalmente os versos de Mar Português.

O Cavaleiro da DinamarcaSophia de Mello Breyner editou O Cavaleiro da Dinamarca em 1964, o conto infantil que conta a viagem de um cavaleiro que pare em peregrinação à Terra Santa, para orar na gruta onde Jesus de Nazaré tinha nascido. Perfeita para quem procura dar incutir o gosto pela leitura a uma criança!

 

Qual é o vosso livro favorito de autor português? Acham que está a ser feito o suficiente para promover a nossa cultura?

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Memórias (quase) perdidas

Um menino de 10 anos avançava num passo desengonçado, permanecia concentrado numa folha rabiscada com algumas palavras. Percorria um pequeno corredor, mas mesmo assim não deixava de estar mergulhado nas palavras escritas. Parecia quase que hipnotizado por aquela folha, naquelas parcas frases. A caligrafia estava ainda mais desajeitada do que o normal. Parecia que a sua vida dependia de completar aquele pensamento, pois escrevia enquanto andava. Adorava fazer aquilo, na ingenuidade de criança divertia-se a brincar com as poucas palavras que conhecia. Adorava percorrer aquele pequeno mundo de imaginação sem restrições e regras. As frases nasciam, mesmo sem sentido ou com vários erros. Aquele era o seu pequeno prazer, aí começou a sonhar. Foi aí que nasceu o sonho. A criança sorriu enquanto rabiscava mais umas palavras, aquele miúdo era eu...

analogia001.JPG

Podem fazer encomendas do meu livro através do e-mail: mapereira.encomendas@sapo.pt! 

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Imagem espontânea (37) – Um Março de corrida

Hoje é o momento de fazer post onde faço uma pequena retrospectiva daquilo que aconteceu no último mês no meu Instagram (@miguel_alexandre7). Foram de facto trinta e um dias de muito boas notícias e vividas em grande intensidade. Sinto que Março foi aproveitado ao máximo! Claro que se tiver que indicar um dos pontos altos deste mês terá que ser a conclusão da Meia-Maratona de Lisboa, a altura de me desafiar novamente numa nova aventura.  

Noutro âmbito, as notícias neste blogue foram extremamente positivas. O Um Mar de Recordações conseguiu chegar ao bonito número de mil favoritos. Não consigo deixar de ficar impressionado com os números que vocês me permitem alcançar. Enche-me o coração sentir o vosso apoio. Só posso agradecer a todos vocês por este carinho incrível ao longo destes quatro anos. Com a vossa ajuda sinto que este é um espaço que vai continuar a crescer diariamente.

flor.jpgMeia Maratona.jpg

1 - Nada melhor do que capturar a doce beleza da Natureza.

2 - Depois da prova, a fotografia de praxe. Cansado, mas bastante feliz!

r2d2.jpgcataplana.jpg

3 - Este é o meu despertador. Sim, confesso que sou um geek…

4 - Um jantar com família é ainda mais saboroso!

favoritos.jpgbarco.jpg

5 - É um orgulho poder ver este espaço crescer a cada dia. Vocês são os maiores!

6 - Um pequeno recorte de um passeio em boa companhia.

GOT.jpgescrever.jpg

7 - A leitura está em dia. Agora é começar a ver a nova temporada!

8 - A aproveitar um bom momento de inspiração…

 

A minha página de autor está quase a chegar aos dois mil gostos graças à vossa ajuda incrível em apoiar este meu sonho, o que vos peço é mais um esforço para chegar a este patamar. Posso contar com a vossa ajuda? É algo muito simples e ajuda imenso na divulgação! Segue-me também no:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Páginas Folheadas (8) – No mundo da fantasia

Reparei que faz algum tempo que não fazia alguma recomendação literária, esta rubrica andou um pouco parada o que não me agrada nada. Assim sendo e para compensar esta grave falha, o mês de Abril vai ter muitas sugestões no que diz respeito a livros. Não escondo a ninguém que é uma das áreas que mais me fascina, portanto parece-me mais do que justo mostrar essa paixão por aqui. Vamos então dar um pontapé de saída com um dos géneros que mais gosto de ler – a fantasia. Confesso que sou um apaixonado por esse tipo de livros, grande parte da minha adolescência foi passada a ler este tipo de obras. Vou então deixar algumas das minhas leituras preferidas, todas elas fazem parte de trilogias. Espero que gostem destas escolhas!

- Senhor dos Anéis: Uma trilogia de livros escrita pelo escritor britânico J. R. R. Tolkien, publicado entre 1954 e 1955. Uma aventura extraordinária pela Terra-Média, no qual Frodo e companhia partem na demanda pela destruição do anel. É bastante saboroso desfrutar desta viagem contada através das pinceladas do génio que é Tolkien. As descrições ao longo da obra são simplesmente brilhantes!

- Joias Negras: Da autoria da Anne Bishop, os livros publicados entre 1998 e 2000, é-nos um registo extraordinário num mundo extremamente detalhado. O que me fascina nesta obra é todas as questões morais e sociais que são levantadas ao longo das páginas. Uma fantástica demonstração de uma abordagem forte do que é a luta pelo poder. Uma trilogia que cativa da primeira à última página.  

- Senhores da Guerra: Publicado entre 1995 e 1997, é uma trilogia de livros escrita por Bernard Cornwell sobre a lenda do Rei Artur. Para quem é fã sobre esta lenda, é mesmo uma leitura obrigatória. É feito um relato completamente díspar daquilo que estamos habituados na ficção arturiana. Destaque especial para toda a estratégia bélica existente nestas obras, algo que me deixou bastante agradado.

 

Gostam de livros de fantasia? Qual é o vosso género literário favorito?

 

A minha página de autor está quase a chegar aos dois mil gostos graças à vossa ajuda incrível em apoiar este meu sonho, o que vos peço é mais um esforço para chegar a este patamar. Posso contar com a vossa ajuda? É algo muito simples e ajuda imenso na divulgação! Segue-me também no:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Questões inevitáveis (36) – “Drogas leves”

Recentemente Paula Teixeira da Cruz, ministra da Justiça voltou a abrir uma discussão que nos últimos tempos tem levantado alguma polémica. Em entrevista à TSF, a ministra defendeu a legalização da venda de “drogas leves” em Portugal e a sua venda nas farmácias. "É para que não haja criminalidade altamente organizada e branqueamento de capitais nessa matéria", afirmou, reformando que representa não um ganho para o Estado, mas sobretudo para os cidadãos, porque não alimenta um negócio "profundamente rentável". 

Por "drogas leves" define-se substâncias consideradas menos perigosas e com consequências menos sérias em termos de dependência física, como é o caso da cannabis por exemplo. Segundo dados de 2013, tem havido um aumento gradual no consumo de drogas. De acordo com o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, o consumo de heroína continua em declínio na Europa, mas as drogas de substituição, muitas produzidas no território europeu estão a crescer! 

As novas substâncias - opiáceas e alucinogénias -, permitem que se produzam mais doses com a mesma quantidade e a um preço mais acessível. Para além disso, a distribuição também está mais criativa. As drogas chegam aos consumidores em mão, pela internet ou mesmo através de lojas especializadas. A liberalização de “drogas leves” contém diversas problemáticas. Talvez a mais pertinente seja se ao legalizar este produto, não se está indirectamente a aliciar a sociedade a experimentar/consumir… 

Concordas com a legalização das drogas leves? Quais seriam os benefícios e malefícios dessa decisão?

 

Segue-me em: 

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||