Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Fotojornalismo

Actualmente, nos media de hoje as imagens são elementos de impacto e o texto é, por vezes, monótonas manchas de cinzento. Estas são quase sempre, um instantâneo, ou seja, um fragmento da realidade, uma fracção de segundo. Assim, um repórter fotográfico capta imagens reais, não encenadas, sendo raras segundas oportunidades.

Foi em 4 de Março de 1880, no Daily Graphic, de Nova Iorque que foi publicada a primeira fotografia da história. Essa marca histórica viria a torna-se uma forte inovação e iria mudar todo o panorama dos media a nível mundial. Assim, a partir de 1855 a fotografia tornou-se um elemento jornalístico, a partir da cobertura fotográfica de Roger Trenton sobre a Guerra da Crimeira.

Isto vêm provar a importância das fotografias nos media. As estatísticas asseguram mesmo que os leitores absorvem a informação de forma cada vez mais passiva e que respondem melhor a estímulos visuais que às massas cinzentas de texto. O potencial gráfico de uma fotografia é brutal, uma vez que o código que transporta é fácil de decifrar. É importante realçar que o valor jornalístico de uma fotografia não se esgota quando é capturada, pois a recolha de informação é apenas uma das partes do trabalho jornalístico. De facto, o processo só fica completo após o seu tratamento.

Um fotojornalista ganha assim uma força de um técnico de informação, tendo como o seu principal trabalho visa obedecer um conjunto de regras de enquadramento e técnica diferentes de outros fotógrafos. Uma fotografia necessita de alguns critérios para ser publicado, pois uma foto nem sempre possui valor jornalístico. Tal como a escrita, esta temática também tem várias disciplinas. As competências fulcrais são assim: a tipologia da publicação, a questão de referência, o valor documental, o efeito desejado e a qualidade técnica.

Mas atenção que num jornal a foto não vive sozinha! Ela partilha um espaço com texto e com outras imagens e se essa relação for conflituosa, elas anulam-se, fazendo assim com que o leitor passe ao lado do que pode ser uma boa história. Nesse sentido, a função da paginação é, cada vez mais, relacionar texto e imagem, ou seja, as componentes verbais e não verbais.

Uma fotografia grande tem mais força que várias pequenas, sendo que o seu impacto aumenta geometricamente, não aritmeticamente. Para além disso, nenhum enquadramento dá uma imagem tão credível como o rectângulo ou o quadrado. Importante a não esquecer é quando se utiliza a fotografia como forma de transmitir uma mensagem, há que ter sempre respeito pelo receptor.

Em suma, as fotos são o coração de uma página de jornal que reflectem acontecimentos transportando o leitor para o local da história.

 

 

41 comentários

Comentar post

Pág. 1/3