Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Uma incompatibilidade de preços

Os preços dos combustíveis voltaram a subir nesta semana para um valor recorde. Só desde o início do ano, o preço da gasolina já aumentou mais de 25 cêntimos por litro, o que corresponde a um aumento de quase 17% em pouco mais de três meses. O gasóleo, por seu turno, está 13 cêntimos mais caro do que em Janeiro, o que se traduz num aumento de 9%.
Nesta semana, o preço atingiu máximos históricos com o litro de gasolina a custar 1,769 euros, enquanto o do gasóleo é de 1,529 euros/litro. Este aumento explica-se pela variação da cotação média dos produtos refinados nos mercados internacionais, mas as tensões entre o Irão e os países ocidentais e a crise na zona euro também não vem ajudar a esta situação.
Em Portugal, usar carro começa a ser para rico e andar a pé ou de bicicleta vão voltar a estar presentes no quotidiano dos portugueses. Não podemos ser fatalistas e pensar só nos aspectos negativos, a verdade é que este aumento pode permitir aos portugueses fazer exercício e ter uma vida mais saudável. Além disso, isso também pode promover o aumento de pessoas nos transportes públicos e, consequentemente, menor poluição. É certo que a principio esta é uma situação difícil de gerir, até porque se viveu durante muitos anos com uma excessiva utilização do carro, demasiados anos...
Na verdade, os preços praticados pelas gasolineiras em Portugal são totalmente impraticáveis numa situação normal, quanto mais em tempo de crise… Numa altura em que os gastos devem ser cada vez mais reflectidos, para um cidadão de classe média estes são preços totalmente incompatíveis . Mais uma contrariedade numa vida cada vez mais difícil de gerir.
A escolha de gasolineiras com preços mais acessíveis é cada vez uma acção mais rotineira por parte dos portugueses. E é uma atitude que cada vez mais se compreende… Já em zonas fronteiriças a solução é relativamente simples: abastecer em Espanha, onde os preços são menos elevados. Mas para as restantes zonas do país, o problema tende a tornar-se cada vez mais grave e o melhor a fazer é mesmo deixar o carro em casa. Pessoalmente, tenho começado a fazer isso mesmo, até porque andar faz tão bem…

 

22 comentários

Comentar post

Pág. 1/3