Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Exclusivo*: Centros comerciais em risco de fechar

Dois centros comerciais, na Margem Sul, estão em risco de fechar devido às fracas receitas que tem registado nos últimos meses. Algumas das grandes marcas destas superfícies comerciais já fecharam as suas delegações ou estão em vias de fechar. O encerramento dos dois estabelecimentos é uma das medidas que está a ser avaliada pelos administradores.

Os gestores destas superficeis comerciais estão a tentar encontrar formas de tornar o negócio rentável, mas a grave crise económica tem afastado os clientes das lojas. “Tem existido reuniões para encontrar uma solução, mas não tem sido fácil relançar o investimento. Estão a ser estudadas alternativas”, reconhece uma fonte ligada ao processo.

As promoções tem sido a principal aposta das várias marcas, mas essa medida não tem servido para gerar lucro. “Existem demasiadas superfícies comerciais na Margem Sul. A grande oferta na zona está a revelar-se muito prejudicial para o negócio”, revela um dos funcionários de uma das superfícies comerciais em causa, que preferiu ficar em anonimato. No distrito de Setúbal estão sete centros comerciasi abertas, mas entre Almada e Barreiro estão sediadas quatro empreendimentos deste tipo.

Entre os funcionários das duas superfícies comerciais há muita apreensão e um medo generalizado de ficar sem o posto de trabalho. “A situação agravou-se, pois algumas das principais marcas estão a fechar as portas, o que pode afastar ainda mais as pessoas. Sem os produtos e as marcas conhecidas é muito díficil continuar”, adianta o mesmo funcionário.

O investimento de vários milhões de euros na construção destes dois empreendimentos e as centenas de postos de trabalho em risco, leva a que  esteja a ser feito um esforço enorme na manutenção dos centros comerciais abertos. “Existe a hipótese de criar um novo tipo de negócio, de forma, a rentabilizar o espaço. Todas as hipóteses estão em cima da mesa”, confirma fonte muito próxima do processo. O final do ano vai ser o momento decisivo para que os diferentes administradores tomem uma decisão sobre o futuro da sua infra-estrutura.

 

*Esta notícia é exlusiva do blogue Um Mar de Recordações.

 

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/3