Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Uma viagem à chuva

Chovia torrencialmente, numa típica noite de Inverno. Negra e melancólica, tudo não passava de uma escuridão brutalmente aterradora. Saí de casa e observei o temporal que não convidava a abandonar o conforto de lar. Tinha combinado sair contigo naquela manhã e não podia faltar. Tinha saudades de te ter nos meus braços, fazia tanto tempo…

Não se via ou ouvia alguém nas ruas desertas daquela pequena cidade que estava mergulhada naquele som sistemático de chuva a cair pesadamente. Estava um frio intenso, acendi um cigarro e observei demoradamente a beleza surpreendente de tudo aquilo. Gosto dos simples prazeres que a vida me possibilita, sou feliz assim.

Assim que terminei o cigarro, corri até ao carro para tentar ficar o menos molhado possível. Dou um longo suspiro assim que me sento no Toyota Yaris que tinha comprando recentemente. Adivinho que vai ser uma viagem difícil. Olho para o relógio e vejo que estou a ficar atrasado, portanto ligo o carro rapidamente e sigo viagem.

Não há outros carros na rua. Consigo ver muito pouco à minha frente, mas isso não me impede de ir depressa. Irrita-me chegar atrasado, por isso tomei um atalho para chegar mais rápido, enquanto descuidadamente avançava mais depressa. No sítio por onde estou a passar não há absolutamente nada, apenas árvores dos dois lados da estrada. Entretanto, chovia copiosamente o que dificultava escapar aos inúmeros buracos. Passei por um com demasiada velocidade e ouviu um barulho estranho.

“Merda”, praguejei prevendo o que tinha acontecido. Encostei o carro e fui ver o que passava no lado esquerdo da viatura. “Óptimo era só o que faltava”, comentei quando vi o pneu da frente em baixo. Tinha tido um furo no meio de um pinhal no meio de um forte temporal, não podia esperar por melhor sorte…

O mal já estava feito e o melhor que podia fazer era tentar remediar a situação. Não passava ninguém por ali e ia ter que solucionar o problema sozinho. Vesti o colete de sinalização e tirei o melhor que pude o pneu de reserva. Assim que consegui finalmente tirá-lo do carro, um feixe de luz intenso apareceu… 

 

[Ficção] 

Parte 1 || Parte 2

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/3