Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Jorge Jesus: a sua renovação é a prioridade número um para o Benfica

Após 23 anos, o Benfica volta a estar numa final europeia. A equipa encarnada tem vindo aos poucos a recuperar o prestígio europeu que perdeu na década de 90. Estão a ser dados passos importantes para que o clube seja novamente uma constante em fases adiantadas das competições europeias. Um dos grandes responsáveis por este crescimento é Jorge Jesus. Desde que o treinador assumiu o comando técnico dos encarnados o pior que conseguiu foi os quartos-de-final. De facto, a glória conquistada a nível internacional tem sido mesmo o grande trunfo na carreira de Jesus na Luz…

O contrato que liga o treinador com o Benfica termina no final da presente época, algo que já possibilitou inúmeras especulações sobre qual vai ser o futuro do técnico português. Numa altura em que a equipa está na luta por três troféus, torna-se evidente que a renovação é absolutamente prioritária. A sua continuidade é sinónimo do clube continuar no trilho do sucesso. O técnico de 58 anos construiu uma equipa e tornou-a uma força a se temida. Pelo meio conquistou quatro troféus pelas águias (1 campeonato e 3 taças da liga) e permitiu que a equipa continuasse a conquistar pelo menos um título por época. Só em caso de uma hecatombe é que as águias não vão manter esse registo nesta temporada.

Se já foi alvo de várias críticas, hoje a sua continuidade é (quase) inquestionável. Para isso muito ajudou a época brilhante que protagonizou mesmo com a saída de Witsel e Javi Garcia no fecho do mercado. Se é certo que algumas teimosias já foram prejudicais à equipa (Roberto ou Emerson são os casos mais gritantes), as suas apostas e adaptações tem sido casos de sucesso. Mesmo com o seu temperamento impetuoso que já trouxe alguns momentos menos prestigiantes ao clube e da sua dificuldade em expressar-se em português, é alguém que percebe o jogo como poucos. É uma mais-valia para qualquer equipa!

Olhando friamente para os números em 210 partidas, o Benfica de Jesus venceu 147, empatou 33 e apenas perdeu 30. Uma clara demonstração de qualidade e que não está ao alcance de muitos. Ao longo das quatro épocas que se sentou no banco das águias, Jorge Jesus trouxe a mística de regresso ao Estádio da Luz. As suas ideias criaram um futebol de ataque e atractivo que há muito não se via a ser jogado pelos encarnados. O poder de fogo das águias tornou-se letal. Em todas as épocas no seu comando técnico, a equipa ultrapassou sempre os 100 golos. Os jogadores renderam muito mais e a sua maioria valeu chorudas transferências para o estrangeiro que enriqueceram os cofres da Luz. E mesmo com essas saídas, Jesus arranjou sempre forma de manter o conjunto encarnado na luta pelos títulos.

O ‘casamento’ entre Benfica e Jesus está mais forte que nunca e assim deve manter-se. As palavras do presidente Luís Filipe Vieira só vem confirmar isso mesmo. A manutenção de um treinador dá acima de tudo mais segurança e é isso que o Benfica mais precisa. É impossível vencer todos os anos, mas manter a aposta num projecto que tem tido tanto sucesso é a melhor decisão a tomar. Assim, a permanência de Jesus é fundamental para o Benfica permanecer na senda do sucesso. O técnico não tem nada a provar e já demonstrou que coloca a equipa a lutar por títulos. E nas próximas semanas está na luta por ‘apenas’ três…

 

 

(Texto também publicado no Jornal Record, a 4 de Maio de 2013)

23 comentários

Comentar post

Pág. 1/3