Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

O inesquecível dia de São Valentim de Diogo Santos [One-shot*]

Era Dia de São Valentim e Diogo Santos preparava-se para o seu encontro. O mediático professor de Literatura da Universidade Nova tinha optado por um fato azul marinho da Giovanni Galli. Esboçou um pequeno sorriso triunfante ao olhar-se ao espelho. Reflectido nele estava um homem com traços bonitos acompanhados de uma estrutura física imponente. Sentia que estava no seu melhor, queria surpreender a sua namorada Cláudia Martins, uma ambiciosa gestora de quem estava loucamente apaixonado. Era o primeiro Dia dos Namorados que iam passar como casal daí estar empolgado com a data, queria tornar tudo inesquecível.

Antes de sair, o docente de 26 anos colocou um gravata preta, o toque final para o seu visual ficar perfeito. O relógio marcava sete e trinta quando saiu para uma Rua Castilho bastante fria. Ainda assim continuava com um enorme sorriso estampado no rosto, estava genuinamente feliz. Parou numa florista perto da sua casa para comprar as flores que tinha reservado no dia anterior. Um ramo de rosas de um vermelho bem intenso. Seguiu caminho para uma Avenida da Liberdade caótica com filas de carros por todo o lado, os seus olhos verdes mergulhavam na beleza característica daquela artéria principal da capital. Largou um esgar, tinha feito bem em deixar o seu BMW 320i na garagem. Era costume andar a pé por aquela cidade, a verdade é que muito raramente usava o carro para se deslocar em Lisboa.

Num passo acelerado, chegou rapidamente ao restaurante combinado. Quando entrou ficou surpreendido pela namorada ainda não ter chegado. Mas não deu muita importância ao assunto, era tão típico as mulheres demorarem mais algum tempo a arranjarem-se. Sentou-se na mesa do costume e poisou o ramo. No entanto, com o tempo a passar, o nervosismo começou a apoderar-se daquele carismático homem. Começou a mexer no cabelo negro num claro sinal de nervosismo. Ligou-lhe, mas ela não atendia o telemóvel. Algo de estranho se estava a passar, começou a beber o vinho do Porto que estava na mesa esperando que não fosse nada de grave.

Só uma hora depois recebeu uma mensagem. Preocupado, foi ao bolso e viu que era de Cláudia. O conteúdo era curto e directo. “Acabou.”, dizia simplesmente. Aquela pequena palavra quebrou o seu coração, não queria acreditar naquilo que estava no visor do telemóvel. Bebeu o pouco vinho que tinha no copo. Abanou freneticamente a cabeça, completamente atordoado. Não teve outra opção senão pagar a choruda bebida e ir embora. Enquanto passava pela mesa olhou desgostoso para o ramo que tinha comprado. Agarrou nele e deitou-o no lixo perto da saída. Ferido no orgulho, abandonou aquele restaurante e nunca mais lá voltou…

*One-shot inspirada no meu livro ‘A Analogia da Morte’

Imagem retirada de: http://www.cuscorestaurants.com/

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

51 comentários

Comentar post

Pág. 1/6