Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Remorsos de uma atitude intempestiva

Largou um longo e arrasador suspiro. Encontrava-se diante daquele antigo espelho há alguns minutos sem se conseguir mover, parecia estar a querer ganhar força para dar o passo seguinte. Várias lágrimas caíam-lhe de uma face lastimável pelas poucas horas de sono do dia anterior. Não podia voltar a acobardar-se, tinha adiado aquilo demasiadas vezes. Decidira finalmente buscar os seus pertences à casa que tinha abandonado há três meses. Desaparecera sem dar qualquer explicação à pessoa que mais amou na vida. Lembrava-se de todos os traços daquele homem, contudo essa recordação parecia agora uma vã memória de uma outra vida…

Um sorriso amarelo nasceu nos lábios carnudos. Por diversas vezes tinha tentado ir àquela casa, mas acabava sempre por desistir. A verdade é que receava que as recordações fossem demasiado dolorosas. Diariamente arrependia-se da sua atitude intempestiva, contudo sabia que isso agora era tarde demais. Não podia voltar atrás, seria injusto fazê-lo. Engoliu em seco, estava completamente perdida. Pensara que fugir dos problemas era aquilo que precisava, mas rapidamente entendeu que cometera um erro crasso. Destruíra a pessoa que a amava incondicionalmente por um gesto infantil e irreflectido. Abanou a cabeça. “Chega! Não posso adiar mais isto…”, murmurou, enquanto abandonava aquele quarto barato que tinha alugado. Foi em frente sem olhar para trás, precisava de manter aquela pequena réstia de coragem viva para seguir em frente.

Minutos depois estava à porta daquela casa repleta de memórias de dias bons e maus daquela forte relação. Sentia-se uma autêntica cobarde por estar a fazer aquilo nas suas costas. Voltou a abanar a cabeça. Abriu a porta sem conseguir conter um suspiro nervoso, repleto de remorso. Precisou de muita força para entrar no quarto para ir buscar a roupa. Não conseguiu resistir percorrer aquela divisão com um olhar melancólico. As suas fotos ainda ali estavam. Tudo parecia igual, nada parecia ter mudado desde a sua ausência. Apenas uma coisa estava diferente. Mordeu o lábio quando viu a mesa de cabeceira com o anel de casamento. “Não!”, gemeu. As lágrimas voltavam a cair sucessivamente, instantaneamente perdeu as forças e as suas pernas cederam. Permaneceu assim de joelhos, junto à cama onde tinha partilhado tantas momentos…

[Ficção]

Continuem a subscrever o canal do Youtube!

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

50 comentários

Comentar post

Pág. 1/5