Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Toque do destino

O tempo arrefece rapidamente. O dia está estupidamente cinzento, a chuva aproxima-se. É melhor despachar-me, penso instantaneamente. Não posso chegar atrasado. Não podemos fugir do destino. A ideia provoca-me um sorriso irónico, seguida de um longo suspiro. Não há mesmo forma de evitá-lo... Nunca acreditei nestas tolices, mas agora tenho que me render às evidências. Curioso, como as coisas mudam por um mero acontecimento.

No início do dia, percorria caminhos ríspidos repletos de pessoas ruidosas e apressadas. Fazia-o despreocupadamente. Ninguém dava conta da minha presença, não passava de um fantasma nas ruas. Pensava que tudo isso iria acabar. Esse pensamento era a única razão que me fazia continuar a mover. A morte. Dolorosa, intensa e inevitável. Reconheço que pensava que ia acabar com tudo de uma vez por todas, sem qualquer tipo de dramatismo. Um simples tiro e tudo isto acabava.

A arma estava no bolso do casaco pronta para ser disparada. Dirigia-me a um campo próximo da minha casa. Nunca fui de grandes planos. Não estava à procura de uma morte majestosa , não! Queria apenas algo rápido e derradeiro. Um final seco, numa vida desapontante. A verdade é que deixei-me consumir pelo meu próprio ego e perdi tudo o que tinha. Fiquei sem trabalho, dinheiro e família e acabei sozinho nas terríveis malhas da solidão...

Admito que nestes momentos sombrios pensei que nada mais havia para lutar. Perdi o medo das consequências, talvez tenha sido presunçoso da minha parte… Mas nada me prendia aqui, resta-me acabar com tudo. Quando cheguei finalmente ao local, apontei a arma à minha boca. Queria terminar com tudo o mais rápido possível. A pistola estava brilhante, novinha em folha. Tinha sido comprada única e exclusivamente para aquele objectivo. Fechei os olhos.

Passaram várias fases da minha vida pela minha cabeça, enquanto estive com os olhos fechados. Como se tivesse a ver um álbum de fotografias que esperava pela última imagem – a minha morte. Comecei a puxar o gatilho da arma. Enfim, a liberdade. Hoje. AGORA, gritei. Triiiim . O som do telemóvel fez-me perder a força da mão e larguei a arma desengonçadamente. A pistola fica esquecida no meio da relva esverdeada. Tinha recebido uma mensagem, um toque do destino. Comecei a lê-la e deixei-me cair de joelhos com lágrimas a correrem-me descontroladamente pela face. “Tenho saudades tuas, pai. Onde estás?”, podia ler-se na mensagem.

[Ficção]

 

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Aversão à imprevisibilidade

Admito que gosto de saber o que vem a seguir, nunca lidei bem com a imprevisibilidade. Na verdade, é algo que não consigo suportar, até porque nunca me importei em ter uma vida chata, previsível e estrategicamente organizada… Isso acontece porque sempre gostei de controlar tudo o que se passava à minha volta. Talvez seja somente eu a ficar velho, mas eu anseio pela previsibilidade. No entanto, a minha vida mantém-se imprevisível , deve ser por isso que nunca lidei bem com ela. Todos acabamos por querer sossego e paz, mas o mundo vive numa constante loucura diária que não nos deixa chegar a esse desejo. Nessas alturas sinto uma uma instabilidade enorme. Qual o passo devo dar? Não sei como reagir, é algo intolerável que me causa uma ansiedade enorme. Não há maior prisão do que a imprevisibilidade. Sim, sinto uma aversão total a ela! Ainda assim não consigo deixar de viver nela…

 

[Ficção]

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Em busca de um livro perfeito

Percorria demoradamente a livraria, estava em busca do livro perfeito. Andava sempre à procura de uma nova obra que a encantasse. Era um vício que não conseguia parar, encontrava sempre algo novo para ler, no fundo uma nova aventura para imaginar. Esse era o seu escape para uma vida cinzenta e sisuda. Aquela era a sua forma de viver a vida que tantas vezes sonhava. Não era uma jovem triste, apenas era acomodada. Vivia naquela tensão persistente sem ter coragem de dar o próximo passo.

No meio daquelas centenas de prateleiras , finalmente conseguiu encontrar um livro que a agradou plenamente. Deu um largo sorriso. Victor Hugo, um dos seus escritores preferidos. Desde cedo ficou cativada pelas palavras daquele autor. Tinha enfim encontrado o livro para os próximos dias. Soprou devagar para tirar algum pó acumulado. Posto isso, avançou despreocupadamente para adquirir aquele volume. Atrás da única caixa disponível , um rapaz com cerca de 25 anos estava a receber o dinheiro do cliente à sua frente. Numa cara repleta de sardas, aquele jovem possuía uma beleza especial. Era um empregado novo, nunca o tinha visto antes naquele lugar.

Um sorriso galante soltou-se dos lábios daquele rapaz quando começou a atende-la. Aceitou o livro com delicadeza. “18 euros, por favor”, pediu numa voz suave e límpida. Enquanto procurava o dinheiro na carteira, reparou que o empregado escrevia algo num pequeno papel. Estranhou a situação, mas não deu importância. Baixou os olhos e tirou a quantia que pretendia. As suas faces ficaram rosadas quando os seus dedos tocaram-se na altura do pagamento. Nervosa, a jovem sonhadora saiu rapidamente daquela livraria. Sem imaginar, dentro do livro que tinha comprado encontrava-se o contacto telefónico daquele rapaz. Os dados tinham sido lançados… 

 
 
Como queres que acabe esta história?
  
pollcode.com free polls 

 

 

 

 

  

Depois do Twitter, agora é a vez do Instagram. Na tentativa de tornar o blogue cada vez mais interactivo, o Um Mar de Recordações ganhou o seu novo espaço. Passem por lá para saber alguns dos momentos  da pessoa por trás do computador. Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

           

O prazer da leitura

O sol começava a pôr-se, tapada com um chapéu de sol, uma jovem morena, na casa dos 20 anos, encontrava-se sentada num banco de jardim despreocupadamente . Não tinha nenhum pormenor que a destacasse. Os seus olhos castanhos estavam mergulhados num pequeno livro. Permanecia assim há horas, tinha decidido passar aquela tarde numa leitura intensiva de um clássico da literatura nacional.

Perdia-se naquelas doces e intensas palavras, viajava naquele mundo que era a sua imaginação. Era feliz daquele modo, não precisava de mais nada além daquele prazer pela leitura. Saboreava cada página. Nada substitua aquelas magnificas tardes. Ainda assim, quando a leitura terminava não conseguia deixar de se sentir alguma nostalgia. Caminha para uma casa sem ninguém, morava sozinha. Enquanto avançava suspirou bem alto com esperanças que um dia ela também pudesse viver o seu próprio romance…

Depois do Twitter, agora é a vez do Instagram. Na tentativa de tornar o blogue cada vez mais interactivo, o Um Mar de Recordações ganhou o seu novo espaço. Passem por lá para saber alguns dos momentos  da pessoa por trás do computador. Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

           

Um pequeno encontrão do destino

“Desculpe, quer alguma coisa?”, disse uma jovem loira que não devia ter mais de vinte anos. Fitava aquele homem com um olhar inquisidor, olhando-o fixamente. Por seu lado, Rodrigo Fernandes ficou com as esperanças despedaçadas. Desejava com todas as forças que aquela mulher fosse o seu antigo amor, mas quando a ouviu falar percebeu rapidamente que não era a mesma pessoa. As feições eram muito semelhantes, estranhamente parecidas, mas as parecenças ficavam por aí. Ainda assim não deixou de ter a sensação que conhecia aquela pessoa de algum lado…
Rodrigo Fernandes suspirou longamente. Voltou à realidade e desculpou-se embaraçado por aquele gesto intempestivo. Regressou à sua mesa e bebeu o mais depressa que conseguiu o seu café matinal. Rapidamente mergulhou naquela espiral depressiva. A ténue esperança tinha sido abruptamente arrasada com a dura realidade. Poucos minutos depois, pagou a conta e começou a dar passos apressados para sair daquele estabelecimento. Queria sair daquele lugar o mais rápido que conseguia, estava chateado consigo próprio por aquela atitude infantil.
Ia abrir à porta quando embateu em alguém, o que o fez fechar os olhos com uma dor intensa na cabeça. Massageou instantaneamente o local que lhe doía. Só depois reparou na pessoa que estava no chão atordoada. Os seus olhos arregalaram, agora não tinha dúvidas. Diante de si estava Maria Branco, a sua antiga namorada. Ela olhou-o com aqueles intensos olhos e rapidamente o reconheceu. Largou um pequeno sorriso. “O que estás aqui a fazer?”, perguntou Rodrigo Fernandes no chão, sem fazer qualquer tentativa de levantar-se. “Vim ter com a minha irmã…”, respondeu-lhe naquele tom de voz doce, apontado para a mesa da jovem que tinha interpelado há bem pouco tempo. Deu um pequeno esgar, aquela era a pequena Rita Branco, a sensação que tinha tido estava então correcta.
Permaneceram no chão a tocar algumas palavras, era óbvio que havia uma conexão quase instantânea, normal numa relação que tinha durado cinco anos. Maria Branco convidou-o a ficar mais um pouco, aquele pedido era tudo o que ele desejava. Sem esconder a tristeza, teve de recusar. Não tinha outra hipótese, pois estava a começar a ficar atrasado para o trabalho. Prometeram combinar um café para o dia seguinte, o seu coração batia a mil a hora. Rodrigo Fernandes deu-lhe um cartão com o seu número, as suas mãos tocaram-se. Havia uma ligação que não podiam negar… Foram os dois em direcções opostas, no dia seguinte acabariam por ter um intenso e inesquecível encontro…

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3

Aqui está a segunda parte do conto numa votação disputada! Com 33 votos (52% da votação) num universo de 63 leitores votantes, a continuação escolhida foi que o Rodrigo Fernandes encontrasse a sua antiga namorada. Decidi dar continuidade à história para uma terceira e derradeira parte! O 'Um Mar de Recordações' agora tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em: