Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Solidão de artista

Estava a tornar-se a cada dia que passava um musico mais conhecido e reputado. Cantava apaixonadamente as letras mais bonitas de amor.  Fazia-o com tal intensidade que pareciam ser as suas histórias que contava. Levava a crer que vivia um amor intenso e genuíno quando no fundo não era verdade. As poucas relações que tivera revelavam-se um autentico fiasco, o amor não lhe tinha dado mais para além de desilusão e frustração.

Era bem parecido, possuía um charme natural e traços de um requinte distinto que deliciava as suas fãs completamente encantadas. Recebia todos os dias cartas de amor, mas sabia que aquele não era um sentimento verdadeiro. As pessoas apenas idealizavam aquilo que desejavam, não o conheciam realmente. Pensavam que era perfeito, mas ele sabia que era repleto de defeitos e imperfeições. Sabia que isso era difícil de gerir, por isso nunca levava a sério aquelas declarações. Permanecia só com a sua voz melodiosa cantando as histórias de amor dos outros…

                                               [Ficção]

 

 

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

A amar-te desde 2010

Uma vez escrevi que o amor não tem datas, é um sentimento que ultrapassa essas banalidades. O amor é para ser vivido e preservado diariamente de uma forma tão única e intensa. É algo tão singular, não se procura, pois simplesmente aparece de forma arrebatadora inesperada. Assim foi em 2010 e continua a sê-lo hoje. É impressionante como o tempo correu num suspiro, sinal de que foi vivido a cem por cento como sempre deve ser. Sinto que este ano vai ser rico de bons momentos, ter o teu apoio e companhia constante torna os dias ainda mais inesquecíveis. Não há formulas mágicas, não há segredos, nem há atalhos. Existe apenas um sentimento sincero e genuíno que todos os dias me faz apaixonar pela mesma mulher. Que me faz apaixonar por ti meu amor. 

 

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Recordação...

Hoje não passas de uma memória, de uma simples e bela recordação. Hoje és o passado que já foi o meu futuro. Consigo ver-te nesta espiral de recordações, neste longo mar de recordações. Sempre foste a pessoa que mais amei que mais me tocou, mas hoje choro por ti! Chove e tu não podes fazer nada. Sempre foste tão forte e agora nem consegues abrigar-te da chuva! Nunca pensei ver-te assim, caiem-me lágrimas de olhar e não poder ver-te, a partir de agora és apenas e só uma pedra. Uma pedra com escrituras… Merecias mais amor, merecias muito mais… Porquê é que teve que ser assim? Fomos separados sem desejá-lo, numa volúpia arrasadora e letal. Mas hoje o dia ainda é nosso, por hoje seremos mais uma vez só nós dois, amanhã apenas restarei eu, sozinho, perdido num mundo que já não conheço e que dizia a sorrir que era nosso.

[Ficção]

IMG_0417.JPG

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Perdição...

- Está uma noite amena amor – afirmei, sem esconder um sorriso provocador.

- Sim, sabe tão bem ter saído para poder estar aqui – respondeste, fingindo não perceber a mensagem, mas os teus olhos mostravam o contrário. Adoras provocar-me.

Saímos do meu carro, deste-me a mão e começamos a caminhar. Apesar de ser Outono, a noite estava inexplicavelmente quente e muito convidativa. Nada podia ser mais perfeito, parece que tudo se tinha enquadrado para correr bem. 

Enquanto andávamos não resisti a devorar-te com os olhos. O teu corpo é uma perdição. Uma eterna volúpia para todos os meus sentidos. Não me contive, abracei-te de forma calorosa. És e serás o meu abrigo! Durante o abraço, passei as mãos pelo teu corpo doce e perfeito e delicio-me com a tua pele. Senti que hoje não ia haver nada que pudesse parar aquele momento.

Os nossos olhos cruzaram-se e era possível ver a chama da nossa paixão a aumentar. Sorriste-me daquela forma especial que apenas fazes para mim. Chegaste perto do meu ouvido e num sussurro provocador pediste-me:

- Beija-me, por favor.

Segundos depois e os nossos lábios tocavam-se apaixonadamente. Não me canso de beijar-te. Adoro saborear-te! O teu toque deixa-me louco, as tuas carícias dão cabo de mim, fazem com o meu desejo por ti cresça ainda mais. Torna-se impossível resistir aos teus encantos. És tudo aquilo que sonhei!

Estava um silêncio acolhedor e a única coisa que se via eram árvores. Mas tudo isso deixou de ter significado, aquilo que importava eram os nossos beijos e carícias intermináveis. Eu e tu estávamos sozinhos e famintos de desejo. Aquela seria a nossa noite, um momento especial. Reconheço que não me canso destas nossos momentos de paixão que parecem eternas. São inigualáveis, meu amor!

É uma loucura a forma como me fazes feliz seja com uma palavra ou com um gesto. É mesmo assim o amor. Feito de simplicidades, mas que em conjunto fazem todo o sentido. A cada momento que passava os nossos corpos ficavam cada vez mais quentes, o desejo aumentava descontroladamente, mas tu não desistias de me provocar só mais um pouco.

- Amor, não aguento mais com essas provocações, vais ter que sofrer as consequências – disse com uma respiração ofegante, enquanto crescia um sorriso provocador nos meus lábios.

Coloquei-te cuidadosamente contra a árvore mais próxima, a noite tinha verdadeiramente começado agora…

[Ficção]

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

A espera é mais fácil com um café

Bebia demoradamente um Frappuccino de caramelo, enquanto esperava nervoso pela sua chegada. Ficava mais fácil de aguentar o tempo a passar, enquanto se deliciava com aquela fantástica bebida. Deu um longo suspiro, as suas demonstrações de nervosismo eram cada vez mais frequentes. Arregaçou as mangas da camisa justa que evidenciava um físico bem trabalhado. Não conseguia controlar a ansiedade, para ele é como se fosse sempre o primeiro encontro, as borboletas na barriga persistiam. Uma gota de suor caiu pela face, o seu coração estava a mil à hora. “Ela nunca mais chega”, lamentou-se em voz baixa, enquanto se punha numa melhor posição naquele desconfortável sofá. Há um mês que não a via, era sempre assim no Verão. A saudade era mais que muita, queria voltar a vê-la, senti-la até mesmo cheirá-la. Desde do último golo de café, tinha consultado o relógio dez vezes. Contudo, de um momento para o outro um sorriso nasceu nos seus lábios carnudos. Á porta do café, ali estava ela com aquela beleza resplandecente. O dia pareceu ganhar uma nova cor. Levantou-se desajeitadamente, deixando quase o café cair. Mexeu nos óculos de forma nervosa e abraço-a com imensa força. Ao ouvido disse-lhe: “Bem-vinda a casa”.

 

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||