Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Ao som de (33) - Música portuguesa

Hoje lembrei-me de fazer um "Ao som de" especial, diferente de todas as outras edições. Em vez de uma música como é normal na rubrica , vou apresentar-vos três faixas. Este é o inicio de algumas alterações que vou fazer em algumas das rubricas mais antigas do blogue, quero dar-lhes uma nova roupagem e torna-las mais interessantes. Portanto nada melhor do que começar com o que é nosso. É verdade hoje vamos apostar na música nacional com uma escolha que abrange vários estilos. Vamos então ao que interessa:

António Variações - Canção Do Engate: O execentrico António Variações (1944-1984) demonstra todo o seu talento numa das mais icónicas canções nacionais. Lançado de forma póstuma em 1997, a Canção do Engate é o exemplo perfeito da mestria do emblemático e talentoso cantor.

Da Weasel - Tás na Boa: Os inesquecíveis Da Weasel (1993-2010) arrasam com o Tás na Boa, uma das faixas do álbum Podes Fugir Mas Não Te Podes Esconder (2001). Num estilo mais virado para o rock, mostra toda a irreverência deste grupo que deixa saudades ao público português.

Carlos do Carmo - Lisboa Menina e Moça: Carlos do Carmo, vencedor do Grammy Latino de Carreira, dá voz a um dos fados mais belos - Lisboa Menina e Moça (1976). Com letra de Ary dos Santos, Joaquim Pessoa e Fernando Tordo, mostra toda a beleza deste género músical. Cada palavra é uma autêntica obra-de-arte!

 

Qual é a vossa música portuguesa preferida? Consideram que em Portugal esta é uma área que não merece o reconhecimento sufeciente?

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

"Os Grandes Portugueses" (21) - António Variações

Nome: António Joaquim Rodrigues Ribeiro "ANTÓNIO VARIAÇÕES"

Data e Local de Nascimento: Lugar de Pilar (Braga), 3 de Dezembro de 1944

Data e Local da sua morte: Lisboa, 13 de Junho de 1984

Profissão que se notabilizou: Musico e Compositor

 

Feitos importantes:

  • Cedo procurou a sua independência e foi aí que com 12 anos partiu para Lisboa, onde trabalhou como escriturário, barbeiro, balconista e caixeiro. Depois de cumprir o serviço militar em Angola, António Variações partiu para o estrangeiro (Londres e Amesterdão), onde descobriu um novo mundo, querendo trazer para Portugal uma nova maneira de viver.
  • Com a ajuda do amigo e colega Fernando Ataíde, Variações foi admitido no Ayer, o primeiro cabeleireiro unissexo a funcionar em Portugal. Ataíde era igualmente seu amante e Variações assumiu dessa forma a sua orientação sexual. Depois do Ayer, passou ainda por um salão no Centro Comercial Alvalade e só mais tarde abriu uma barbearia na baixa lisboeta.
  • Entretanto, deu igualmente início aos espectáculos com o grupo Variações, atraindo rapidamente as atenções. Em 1981, sem ter até aí editado qualquer música, participa no programa de televisão de Júlio Isidro, O Passeio dos Alegres. A sua música e o seu estilo próprio inconfundível fizeram com que depressa alcançasse uma fama razoável.
  • Em 1983, gravou o seu primeiro LP, Anjo da Guarda com dez faixas, todas de sua autoria, onde se destacaram os êxitos É p´ra Amanhã e O Corpo É que Paga. Um ano mais tarde, lançou o seu segundo trabalho, intitulado Dar e receber. Nesse mesmo ano teve esse último concerto que foi dado a 22 de Abril em Viatodos, aldeia do concelho de Barcelos.
  • Quando Canção de Engate invadiu as rádios, já António Variações se encontrava internado no hospital. Morre, a 13 de Junho, vítima de uma broncopneumonia, provavelmente causada pela SIDA. Especula-se que terá sido a primeira figura pública portuguesa a morrer vítima dessa doença. Vinte anos após a sua morte, em Dezembro de 2004, é lançado um álbum em sua homenagem, com canções da sua autoria que nunca tinham sido editadas.

 

Álbuns

1983 - Anjo da guarda

1984 - Dar & Receber

1998 - Anjo da guarda [Póstumo]

2000 - Dar & receber [Póstumo]