Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Vitória magra não chega para a qualificação portuguesa

O previsível aconteceu e Portugal está fora do Campeonato do Mundo no Brasil, depois de um desempenho muito aquém do esperado. Na terceira e última jornada do Grupo G, a selecção das quinas venceu o Gana por 2-1, mas o resultado não chegou para inverter a desvantagem de cinco golos (a Alemanha até ajudou…). Boye (auto-golo) e Cristiano Ronaldo marcaram para o lado português, enquanto Asamoah Gyan marcou pelos ganeses. Uma prestação frágil do conjunto luso que tinha a obrigação de passar à segunda fase do torneio…

Com uma forte intensidade, Portugal entrou no Estádio Nacional Mané Garrincha a dominar numa postura mais forte e agressiva. Os jogadores portugueses deixaram uma imagem diferente mostrando finalmente alguma garra, algo que não tinha acontecido nos outros encontros. Pena que isso tivesse acontecido quando as coisas já estavam demasiado complicadas, fica a ideia que o resultado com os EUA seria diferente com esta postura… Cristiano Ronaldo entrou em grande! Aos seis minutos, rematou à barra da baliza de Dauda, naquela que foi uma das muitas ameaças do astro português. Um livre (12’) e uma forte cabeçada (19’) foram as oportunidades mais flagrantes na primeira parte do melhor jogador do mundo.

O Gana só criou perigo aos 20’ numa defesa vistosa de Beto ao remate de Asamoah Gyan. Num jogo muito competitivo e disputado, lutou-se muito dentro do terreno do jogo. Portugal pareceu sempre ser mais forte e o golo acabou por aparecer aos 31 minutos. Num cruzamento de Miguel Veloso, a bola chega à área e Boye, a tentar um corte, coloca a bola na própria baliza. Pouco tempo depois, um remate perigoso de Rúben Amorim saiu ao lado da baliza, naquele que podia ter sido o segundo golo do encontro. O Gana voltaria a incomodar a baliza nacional perto do final com um remate ao lado de Atsu. O primeiro tempo abria possibilidades a um milagre, até porque o trabalho defensivo está a ser feito de forma coesa, o que ajudava a uma maior segurança durante o encontro.

Na segunda parte tudo se transfigurou… Os comandados de Paulo Bento entraram nervosos e começaram a cometer alguns erros. O jogo ficou mais aberto com as equipas a apostarem tudo na segunda parte, isso permitiu vários contra-ataques das duas equipa. Portugal pareceu perder um pouco o gás e quem aproveitou foram os africanos que aos 51’ teve um remate muito perigoso por intermédio de Asamoah Gyan. Seis minutos depois, o mesmo jogador acabaria por marcar o golo ganês, após um cabeceamento certeiro às redes lusas. Após o empate, o jogo ficou ainda mais imprevisível com diversas jogadas de perigo, mas que acabavam por não ter a melhor finalização.

O jogo tornou-se confuso com diversos erros de parte a parte, jogou-se muito com o coração. Foi numa dessas falhas, que surgiu o segundo golo português. Aos 80 minutos, o guardião Dauda aliviou a bola para Cristiano Ronaldo, que fuzilou a baliza. Um remate de raiva do capitão! Os últimos minutos foram impróprios para cardíacos. Ronaldo (82’) e Nani (83’) tiveram duas boas oportunidades para dilatar a vantagem, mas não conseguiram fazer o gosto ao pé por manifesta pouca sorte. O guardião Beto acabaria por sair lesionado, naquela que foi a sexta (!) lesão de um jogador português nesta prova… Nos descontos, Ronaldo, por duas vezes, e João Moutinho ainda tiveram oportunidades, mas o resultado não se viria a alterar… Portugal despede-se deste Mundial com uma vitória amarga e com a consciência que tinha capacidade para fazer bem melhor!

 

Portugal merecia a qualificação? O que falhou para não serem atingidos os objectivos mínimos ? Paulo Bento tem condições para continuar como seleccionador nacional?

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Varela mantém vivo o difícil sonho português

Portugal e EUA empataram a dois golos num jogo dramático, em partida a contar para a segunda jornada do Grupo G do Mundial de futebol no Brasil. Nani colocou os portugueses em vantagem, mas os norte-americanos acabaram por dar a volta com golos de Jermaine Jones e Clint Dempsey . Na última jogada da partida, Varela consegue empatar o jogo, o que permite que a selecção nacional ainda tenha hipóteses de qualificação.

Numa Arena Amazónia (em Manaus) com mais de 50 mil espectadores, a selecção das quinas entrou a todo o gás. Nani , aos 5 minutos, aproveitou um mau alivio de Geoff Cameron e rematou para a baliza norte-americana. Após o tento inaugural, os EUA alteraram a sua postura defensiva e criaram algumas oportunidades de golo com remates de Clint Dempsey , aos 13’ e aos 17’. Foi nessa altura que surgiu mais uma má notícia para o seleccionador Paulo Bento, que foi obrigado a substituir Hélder Postiga por Éder devido a uma lesão muscular… 

O conjunto liderado pelo alemão Jürgen Klinsmann assumiu o controlo do encontro, fazendo uma enorme pressão. Bradley (29’) e Johnson (32’) protagonizaram remates perigosos. Após estes sinais de perigo, Portugal começou a equilibrar a partida. No fim do primeiro tempo, Nani quase ampliou a vantagem com um remate fortíssimo de Nani a embater no poste, na recarga Éder permite uma enorme defesa de Tim Howard!

A segunda parte começou com mais uma substituição por lesão para Portugal. O defesa André Almeida abandonou o terreno de jogo para a entrada de William Carvalho, elevando para cinco os jogadores lusos a saírem lesionados nesta competição! Portugal entrou novamente forte conseguindo um remate perigoso de Éder aos 50 minutos. Já aos 55’, uma grande oportunidade para os EUA com um tiro de Bradley a ser evitado por Ricardo Costa em cima da linha.

O jogo ficou partido e foi tendo várias oportunidades para cada equipa. Numa jogada de contra-ataque aos 62’, Cristiano Ronaldo isolado chuta muito ao lado. Dois minutos depois, Jermaine Jones empata o encontro com um remate de longe que deixa o guarda-redes Beto pregado ao relvado. A partir daí, Portugal procurou regressar à vantagem criando algumas jogadas de perigo. Raul Meireles, aos 65’, tem uma boa oportunidade com um tiro portentoso para defesa de Howard.

Os últimos minutos foram de alta rotação! Nani tentou colocar Portugal novamente em vantagem ao rematar por cima aos 79 minutos. Dois minutos depois, mais um balde de água fria para Portugal! Clint Dempsey encosta com a barriga para o segundo golo norte-americano. Quando já ninguém acreditava, surge uma pequena luz de esperança. Na última jogada do encontro, Cristiano Ronaldo faz um enorme cruzamento para Varela que cabeceia para o empate.

Assim sendo, o apuramento para a segunda fase de Portugal é uma tarefa muito difícil! A selecção nacional precisa de vencer o Gana (quinta-feira, 17h00) e esperar que a Alemanha vença para recuperar os cinco golos de diferença dos EUA. No que diz respeito a arbitragem, o argentino Néstor Pitana fez globalmente uma boa partida, apesar de na primeira parte ter perdoado uma expulsão ao norte-americano Beckerman que agrediu Raul Meireles com o cotovelo.

Ainda é possível a qualificação para a segunda fase? O que está a falhar na equipa portuguesa? É normal Portugal ter sofrido cinco lesões durante este Mundial?

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Germânicos atropelam um frágil Portugal

A estreia de Portugal no Mundial de 2014 no Brasil foi um autêntico pesadelo! A selecção das quinas foi arrasada pela Alemanha (4-0), no jogo inaugural do grupo G. No Arena Fonte Nova, em Salvador, Muller (3) e Hummels foram os marcadores dos golos. A partida ficou também marcada pela expulsão do defesa Pepe, aos  37 minutos, por uma cabeçada ao avançado Muller.

Uma exibição desastrada de Portugal que provocou este resultado. Inúmeras descontracções no panorama defensivo foram fatais contra uma das selecções mais fortes do mundo. Logo aos oito minutos, o guardião Rui Patrício fez um disparate e passou a bola para Khedira num mau alivio. O médio alemão rematou ao lado. O primeiro golo dos germânicos surgiu aos 11’ por Muller, na conversão de uma grande penalidade, a castigar uma pertença falta de João Pereira.

A selecção nacional não conseguiu imprimir o seu ritmo e teve dificuldades na criação de jogo. A excepção foi um remate bem colocado de Nani, aos 24 minutos. Pouco depois, aos 28’, novo contratempo com a substituição forçada de Hugo Almeida (lesão) por Éder. Gotze tem um remate muito perigoso que viria a dar o canto para o segundo golo da partida. Aos 32’, Hummels adianta-se a Pepe e dá uma forte cabeçada para aumentar a vantagem dos germânicos.

A perder por 2-0, Portugal tem uma tímida reacção com duas situações de perigo de Fábio Coentrão e Éder, mas que não conseguiram bater a baliza de Neuer. Já no período de descontos da primeira parte, novo balde de água fria. Muller bisa na partida com um forte remate, a aproveitar um erro de Bruno Alves.

O segundo período foi de contenção por parte da equipa liderada por Joachim Löw que foi segurando a vantagem. No entanto, sempre que a ‘Mannschaft’ chegava perto da baliza portuguesa criava perigo como é o caso dos remates de Özil (51’) e de Gotze (69’).  Só a espaços, é que Portugal conseguiu acercar-se da baliza de Neuer mas nunca conseguiu incomodar realmente a defesa alemã. Se o resultado já era mau, as más notícias continuaram. Fábio Coentrão lesionou-se sozinho, aos 63 minutos, e provavelmente será baixa para o resto da competição. Portugal fica sem o único defesa esquerdo de raiz na convocatória…

A machadada final foi dada pelo inevitável Muller que completou o seu hat-trick aos 78 minutos. O avançado de 24 anos aproveitou um erro infantil de Rui Patrício. Na jogada anterior, o guardião português tinha voltado a ter um mau alívio. Um jogo bastante desastrado do guarda-redes que nunca conseguiu exibir-se ao seu nível. Na globalidade, não houve um jogador da selecção nacional que se destaca-se positivamente. Perto do fim, Ronaldo apareceu com um remate perigoso, mas o resultado já não se viria a alterar.

A partida foi apitada pelo sérvio Milorad Mazic que tal como Portugal não teve um dia bem conseguido. Na primeira parte, o arbitro de 41 anos assinalou uma grande penalidade discutível que deu vantagem aos alemães. Já no segundo período não apitou uma penalidade óbvio sobre Éder aos 75’. No restante encontro, o juiz teve mais algumas decisões desastradas.

O que falhou na equipa portuguesa? O resultado é justo? Como se pode explicar a atitude de Pepe?

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Alemanha, Gana e EUA são os adversários no Mundial

Portugal vai enfrentar a Alemanha, o Gana e os EUA na fase de grupos do Mundial de futebol que se vai realizar no próximo ano no Brasil. A competição será disputada entre 12 de Junho e 13 de Julho e ocorrerá em doze cidades brasileiras.
Englobado no grupo G, Portugal deve conseguir uma qualificação acessível para a próxima fase da prova. Teoricamente a selecção nacional e a Alemanha são as grandes favoritas para seguirem para os oitavos-de-final . Os germânicos são uma equipa muito forte, aliás é uma dos favoritas a levantar o troféu . Apetrechada de muitos talentos é um conjunto extremamente perigoso, de longe o nosso principal obstáculo.
Se contra a Alemanha o jogo é de alto risco, as restantes equipas são adversários com menos valias. Contra os EUA e o Gana, Portugal parte como favorito para assegurar a passagem à fase de grupos. Aliás, o seleccionador Paulo Bento colocou os oitavos-de-final como o objectivo mínimo para a selecção das quinas. Um registo conservador do comandante do conjunto nacional que opta por colocar a fasquia mais baixa, tentando resfriar as expectativas altas de uma equipa que tem um dos melhores jogadores do mundo.
Destaque ainda para a bonita homenagem feita a Nelson Mandela, o antigo presidente da África do Sul, que faleceu ontem. Nesse prisma, a cerimonia ficou ainda marcada pelo mais rápido minuto de silêncio da história, interrompido pelo inevitável e polémico Joseph Blatter…

Grupo acessível para Portugal? Está correcta a estratégia pouco ambiciosa dos responsáveis técnicos? Até onde Portugal poderá chegar neste Mundial?