Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Questões inevitáveis (31) – Público ou Privado?

Com o ano lectivo cada vez mais próximo, o anuncio das colocações para a universidade aproxima-se a passos largos. O nervosismo apodera-se dos mais de 42 mil alunos que se inscreveram para a primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior (mais de dois mil que no ano passado).  Há muita gente na expectativa para se formar na área onde desejam fazer carreira, este é assim uma escolha de responsabilidade que coloca uma pressão adicional…

O acesso ao ensino superior público contou com 50.820 vagas a concurso, um número que não era tão baixo desde 2008. As universidades e os politécnicos públicos disponibilizam assim menos 641 lugares, nos 1.067 cursos que abrem em 2014-2015, do que os 51.461 colocados a concurso no ano lectivo passado. Além do curso que é extremamente importante, a escolha da universidade pode também ser determinante para o futuro. É neste prisma que surge esta reflexão com uma das questões que levanta alguma polémica: qual o ensino que deixa os alunos mais preparados o ensino público ou o privado?

Na minha perspectiva , não há uma resposta absoluta. Talvez o mais seguro de dizer é que tudo depende do curso e do estabelecimento. Estes dois tipos de ensino distinto tem as suas potencialidades e as suas fraquezas, tudo depende dos conteúdos e competências que se desejam ver trabalhados. Ainda assim, há universidades que permitem melhores oportunidades de futuro dado o seu prestigio e aos seus contactos no mundo do trabalho. Mas no final terá sempre que ser o aluno a mostrar as suas capacidades e talento…

Qual é o melhor tipo de ensino superior – público ou privado? Qual é o que dá mais oportunidades? Ainda faz sentido tirar um curso na universidade?

Depois do Twitter, agora é a vez do Instagram. Na tentativa de tornar o blogue cada vez mais interactivo, o Um Mar de Recordações ganhou o seu novo espaço. Passem por lá para saber alguns dos momentos  da pessoa por trás do computador. Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

           

Questões inevitáveis (23) – Ensino Superior

Um dia após o anúncio oficial das colocações da primeira fase deste ano no Ensino Superior, é impossível não falar sobre este tema. Foram admitidos 37 415 alunos na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso, menos 3 mil que no ano passado. No total, concorreram 40 419 estudantes, no entanto mais de 3 mil ficam para já de fora, por não terem conseguido notas suficientes.

Este são os números mais baixos de alunos admitidos nos últimos seis anos! Uma tendência que está a tornar-se hábito em Portugal… Desde 2010 que o número de novos estudantes no Ensino Superior tem vindo a diminuir. Uma situação que levanta várias questões no futuro da educação das universidades e dos institutos politécnicos da rede pública. Será que com o país a atravessar uma grave crise financeira e com taxas de desemprego elevadíssimas, a educação superior é mais uma das vítimas das dificuldades dos portugueses?

Estes números surgem numa altura em que o Governo confirmou um corte médio de 2,5% no financiamento do sector em 2013. “[As universidades] vão sobreviver com dificuldades, como todo o país”, referiu João Queiró, secretário de Estado do Ensino Superior. Ainda assim, o secretário de Estado espera que a redução no financiamento "não ponha em causa a qualidade do ensino e a viabilidade de algumas instituições”. 

Num momento crítico para o país, é preciso apostar sempre que possível numa maior formação, para que se consiga ter mais competências para lidar com os problemas que se enfrentam diariamente. Até porque maior educação é mais um factor para nos tornamos cidadãos melhores nesta sociedade que se encontra em constante mutação. Já agora também aproveito para dar os parabéns a todos aqueles que entraram na Universidade este ano e que estão a ler este texto!  

Quais são as razões para a diminuição de novos estudantes universitários? É justo o Governo cortar no financiamento da educação? Em que estado se encontra actualmente o ensino superior em Portugal?