Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Exclusivo*: Manifestantes calam Miguel Relvas em conferência da TVI (com vídeo da minha autoria)

"Relvas hoje vieste à escola?" foi esta uma das palavras de contestação que Miguel Relvas, Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, ouviu quando esta tarde foi silenciado pelo enorme protesto na conferência 'Como vai ser o Jornalismo daqui a 20 anos', organizado pela TVI no ISCTE-IUL , em Lisboa.
Num momento em que terminava o último painel da conferência, o ministro entrou na sala e foi vaiado por dois grupos de manifestantes que interromperam os conferencistas. "Demissão", gritavam em uníssono os protestantes sem parar. Após longos minutos e só depois da intervenção de Pedro Pinto, jornalista da TVI e moderador do painel interrompido, foi possível acalmar um pouco os ânimos. Ainda assim os manifestantes mantiveram vários cartazes com inscrições como "Governo Rua" e "Bolsas sim e Propinas não", para além de cartazes da manifestação convocada pelo movimento "Que se Lixe a Troika!" para o próximo dia 2 de Março.
Rosa Cullell, administradora da Mediacapital ainda conseguiu fazer um balanço da conferência dando a palavra ao Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares. A partir daí a contestação voltou a incendiar-se não havendo condições para discursar. Assim, o protesto levou Miguel Relvas a abandonar a sala, numa saída atribulada. Os seus seguranças não conseguiram evitar que o ministro fosse atingido por um manifestante com um cartaz, num momento em que ficou encurralado. O ministro foi mesmo perseguido até à sua viatura.
Esta já é a segunda manifestação que o ministro foi impedido de falar. Ontem, no Clube dos Pensadores no Porto, foi interrompido quando as pessoas presentes começaram a cantar o 'Grândola Vila Morena', tema associado ao 25 de Abril.
No auditório do ISCTE-IUL, José Alberto Carvalho, director de informação da estação de Queluz, reconheceu "o direito à contestação e à liberdade de expressão", mas criticou o momento e a forma como foi levada a cabo.
Esta conferência foi um dos primeiros eventos comemorativos dos vinte anos da TVI e que foi transmitido em directo, ao longo do dia, no site da estação privada.

 

Concordam com a manifestação? O governo tem condições para continuar? 

 


*A notícia e o vídeo são exclusivos do blogue Um Mar de Recordações. 

Exclusivo*: Centros comerciais em risco de fechar

Dois centros comerciais, na Margem Sul, estão em risco de fechar devido às fracas receitas que tem registado nos últimos meses. Algumas das grandes marcas destas superfícies comerciais já fecharam as suas delegações ou estão em vias de fechar. O encerramento dos dois estabelecimentos é uma das medidas que está a ser avaliada pelos administradores.

Os gestores destas superficeis comerciais estão a tentar encontrar formas de tornar o negócio rentável, mas a grave crise económica tem afastado os clientes das lojas. “Tem existido reuniões para encontrar uma solução, mas não tem sido fácil relançar o investimento. Estão a ser estudadas alternativas”, reconhece uma fonte ligada ao processo.

As promoções tem sido a principal aposta das várias marcas, mas essa medida não tem servido para gerar lucro. “Existem demasiadas superfícies comerciais na Margem Sul. A grande oferta na zona está a revelar-se muito prejudicial para o negócio”, revela um dos funcionários de uma das superfícies comerciais em causa, que preferiu ficar em anonimato. No distrito de Setúbal estão sete centros comerciasi abertas, mas entre Almada e Barreiro estão sediadas quatro empreendimentos deste tipo.

Entre os funcionários das duas superfícies comerciais há muita apreensão e um medo generalizado de ficar sem o posto de trabalho. “A situação agravou-se, pois algumas das principais marcas estão a fechar as portas, o que pode afastar ainda mais as pessoas. Sem os produtos e as marcas conhecidas é muito díficil continuar”, adianta o mesmo funcionário.

O investimento de vários milhões de euros na construção destes dois empreendimentos e as centenas de postos de trabalho em risco, leva a que  esteja a ser feito um esforço enorme na manutenção dos centros comerciais abertos. “Existe a hipótese de criar um novo tipo de negócio, de forma, a rentabilizar o espaço. Todas as hipóteses estão em cima da mesa”, confirma fonte muito próxima do processo. O final do ano vai ser o momento decisivo para que os diferentes administradores tomem uma decisão sobre o futuro da sua infra-estrutura.

 

*Esta notícia é exlusiva do blogue Um Mar de Recordações.

 

Arte contemporânea invade Bairro Alto

Num dos bairros mais emblemáticos da capital, o Bairro Arte destaca-se como uma das lojas mais criativas. Estrategicamente situado no Bairro Alto (Rua das Salgadeiras), o projecto iniciado em Dezembro de 2009 e liderado por Alexandra e João Rombert marca pela diferença e originalidade dos conteúdos que vende. Numa simbiose entre as últimas tendências de design e produtos vintage, entrar neste espaço arrojado é uma viagem ao passado com vislumbres do presente.

Embalados pelos grandes sucessos da músicas dos anos 50 e 60, a loja criou uma identidade muito própria que fascina residentes e turistas. Com preços adequados a todas as carteiras, não é difícil ficarmos encantados com os produtos expostos. Nesse sentido, para quem procura uma peça diferente para criar uma decoração original no seu quarto ou na sua casa, este é o local certo para entrar! “Este é um conceito diferente em Portugal, aqui há muitos produtos incomuns que não são vistos em qualquer lado”, reconhece Marta Ferreira, uma das funcionárias da loja.

Os itens à venda são encontrados em feiras internacionais e sites da especialidade pelos donos da loja. “A inspiração [para a loja] resultado de muitas viagens em especial aos Estados Unidos”, conta João Rombert. Alexandra Rombert também imprime o seu cunho pessoal com paneis de fotografias que vai tirando pela capital. Pedaços de beleza da icónica Lisboa que são um chamariz para turistas dos quatro cantos do mundo. Num ambiente muito acolhedor, é fácil de se sentir o conforto num espaço apetrechado de pequenos tesouros.

 

Aberto durante todos os dias da semana, o Bairro Arte é um espaço imperdível e encantador. Uma ideia em expansão e que promete crescer. Actualmente, este projecto encontra-se também situado no Chiado, no LX Factory, em Cascais e no Centro Comercial Alegro.

 

*A notícia e as imagens são exclusivos do blogue Um Mar de Recordações.