Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Ao som de... (25) [Billy Joel – Uptown Girl]

O ‘Ao som de…’ continua a dar destaque aos grandes clássicos da música e é nesse âmbito que Billy Joel entra em acção. O artista de Bronx vendeu mais de 150 milhões de álbuns pelo mundo e arrecadou seis Grammy e outras 23 nomeações neste prémio. Além da sua magnífica voz, Joel toca piano de uma forma sublime.  

William Joseph Martin Joel, mais conhecido como  Billy Joel, nasceu a 9 de Maio de 1949, e foi figura dominante no panorama musical entre os anos 1970, 80, e 90. Desde cedo teve forte influência na música, através do pai que era um consagrado pianista clássico. Assim, em 1964, após ter visto um concerto dos Beatles, Joel decidiu dedicar-se a tempo integral à carreira musical. Depois de várias experiências falhadas em alguns grupos locais, opta por apostar numa carreira a solo que viria a dar frutos com o primeiro cd em 1971 (Cold Spring Harbor). Foi o princípio de uma extraordinária carreira no mundo da música!

O seu estilo reflecte diversos géneros como o jazz, os blues, o gospel, o pop music, e o rock & roll. Desde do lançamento do seu primeiro grande sucesso – Piano Man em 1973 – Joel tornou-se no sexto artista que mais vendeu nos Estados Unidos. A coletânea "Greatest Hits Volume I & Volume II" é mesmo o disco duplo mais vendido de todos os tempos. O seu trabalho valeu-lhe presença no Songwriters Hall of Fame (1992), no Rock and Roll Hall of Fame (1999) e no Long Island Music Hall of Fame (2006).

Era impossível escolher outra música além da inevitável Uptown Girl que faz parte do álbum Inocent Men (1983). Esta canção foi inspirada e escrita para a supermodelo norte-americana Christie Brinkley pouco depois de Joel a ter conhecido e terem começado a namorar. A modelo acabou mesmo por ser a protagonista no videoclip. A música tornou-se desde logo um enorme sucesso mundial e alcançou o lugar número três nos tops norte-americanos e o primeiro nos britânicos. Uptown Girl recebeu ainda uma nomeação para o prémio Grammy pela Melhor Performance Vocal Masculina em Best Pop.

 

Ao som de… (24) [Elvis Presley – Suspicious Mind]

A vigésima quarta edição do ‘Ao Som de…’ retrata o carismático Elvis Presley, conhecido como o ‘Rei do Rock’ e um dos mais populares cantores de todos os tempos. Além de uma voz divinal, o norte-americano ficou conhecido pelas suas performances electrizantes. O seu estilo revolucionário para a época era contagiante e fazia admiradores em todas as faixas etárias e classes sociais. Assim não foi surpresa ter-se tornado no maior recordista mundial em vendas de discos de todos os tempos, com mais de 1 bilião e meio de discos vendidos.

Nascido em 1935 na cidade de East Tupelo (Mississipi), Elvis Presley aprendeu desde muito cedo a tocar guitarra e chegou mesmo a ganhar um concurso de jovens talentos musicais em sua cidade. Antes de começar na música, teve de trabalhar como camionista para ganhar algum dinheiro. Só em 1954 começou a sua carreira na lendária gravadora Sun Records, acompanhado pelo guitarrista Scotty Moore e pelo baixista Bill Black.

O ‘Rei do Rock’ tornou-se rapidamente o pioneiro do rock and rol, sendo um dos criadores do rockabilly, uma fusão de música country e rock´n´roll. Uma de suas maiores virtudes era a sua voz, devido ao seu alcance, que atingia  notas musicais de difícil alcance para um cantor popular. Para além da sua música, o carismático cantor representa a chega de uma nova geração, rebelde nas convenções sociais e ansiosa pela emancipação dos costumes.

Após cumprir o serviço militar entre 1958 e 1960, Elvis voltou com toda força e assumindo-se como um dos maiores ídolos da música internacional. Contudo, os anos 70 não foram bons para o ídolo do rock que enfrentou vários problemas pessoais. Acabaria por morrer em 1977 (com 42 anos!) vítima de um ataque cardíaco fulminante. Atribui-se seus problemas de saúde, inclusive sua morte, ao uso exagerado de barbitúricos. Caía um dos maiores ícones da cultura popular mundial do século XX.

Ao longo da sua carreira, foi nomeado para catorze Grammys tendo vencido três, além do Grammy Lifetime Achievement Award com apenas 36 anos (!). Elvis teve também uma carreira no cinema (1956-1969), onde participou em vários filmes com enorme sucesso de bilheteira. Com mais de trinta participações em longas-metragens, os maiores sucessos foram Love me Tender (1956), Jailhouse Rock (1957), Blue Hawaii (1961) e Viva Las Vegas (1964). 

Qual é para vocês a melhor música do ‘Rei do Rock’? Faltou atingir alguma coisa na carreira deste carismático cantor? Como se explica o enorme sucesso de Elvis Presley?

Ao som de… (23) [Frank Sinatra – Fly me to the Moon]

Um cantor que é apelidado como ‘A Voz’, é uma demonstração de um talento fascinante. Frank Sinatra está um patamar acima dos restantes, arrecadando um sucesso impar que faz dele um absoluto génio. Um predestinado, para ser mais correcto. Assim sendo, parece-me que não há melhor escolha para compensar esta ausência do que trazer-vos um dos maiores talentos musicais de sempre. O espectáculo passou a ser diferente depois deste homem pisar os palcos!  

Filho de imigrantes italianos, o então Francis Sinatra nasce a 12 de Dezembro de 1915 em Hoboken, New Jersey. Viveu uma adolescência complicada, onde chegou mesmo a ser preso. Num ambiente nefasto, acabou por não conseguir concluir o secundário, sendo expulso no 47.º dia (!) por conduta agressiva. Para se sustentar começou a distribuir os jornais, mas a música foi sempre o seu grande objectivo, a sua paixão. Nunca teve educação vocal, aquilo que ele aprendia era a escutar os grandes clássicos da música jazz.

Foi aos 20 anos que conseguiu a sua oportunidade ao vencer um prémio que o catapultou a um sucesso sem precedentes. Sem treino formal, o agora ‘Frank’ Sinatra conseguiu desenvolver um estilo altamente sofisticado. A sua habilidade em criar uma longa e fluente linha musical sem pausas para respiração e a sua manipulação de frases tornaram-se lendárias. "Fly me to the moon", "My Way" ou "New York, New York" foram alguns dos exitos que pautaram uma carreira recheada de sucesso que contabilizou onze Grammy Awards (entre os quais o Grammy Legend Award e o Grammy Lifetime Achievement Award). O cantor norte-americano foi ainda homenageado no Prémio Kennedy em 1983 e recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade de Ronald Reagan em 1985, bem como a Medalha de Ouro do Congresso em 1997. Com a saúde debilitada, o ‘Blue Eyes’ parou de fazer shows em 1995. Três anos depois acabaria por sucumbir com um ataque cardíaco em Los Angeles. 

Além da música, Sinatra também teve sucesso no cinema, vencendo mesmo um Óscar de melhor actor secundário (From Here to Eternity, em 1953). Obteve ainda uma nomeação para o Óscar de melhor actor pela sua performance em The Man with the Golden Arm (1955). O seu trabalho na sétima arte valeu-lhe um Óscar Humanitário, em 1972. 

É justa a alcunha d' 'A Voz'? Qual é a vossa música preferida de Sinatra? É possível atingir o nível de excelência deste cantor? 

Ao som de... (3) [Simon & Garfunkel – Mrs. Robinson]

Uma das músicas que sempre me fez cantarolar quando a oiço é Mrs. Robinson de Simon and Garfunkel. Confesso que a melodia apaixona-me, é daquelas que não me consigo cansar! Escrita em 1967 por Paul Simons, a canção atingiu a primeira posição da Billboard Hot 100 durante três semanas consecutivas. Mrs Robinson rendeu ao duo norte-americano dois Grammys na categoria de melhor gravação do ano e melhor performance de pop contemporâneo.

Mas na verdade, esta canção servia, inicialmente, apenas como banda sonora do filme Graduate (uma comédia que recomendo totalmente a sua visualização!). Nesta longa-metragem é abordado um caso entre Benjamin Braddock (um dos primeiros trabalhos de Dustin Hoffman), um jovem que acaba de se formar, com uma mulher casada – Mrs. Robinson. O enorme sucesso de Graduate (ganhou um Óscar e mais seis nomeações) ajudou a que a música ganhasse uma grande projecção ao grande público. O êxito foi tão grande que Simon and Garfunkel acabaram por incluí-lo como faixa em Bookends, o quarto álbum de estúdio da dupla norte-americana.  

Durante os anos, a canção ganhou um carinho especial e permaneceu na história da música como um clássico. Mrs. Robinson teve várias interpretações, uma das quais na franchise American Pie. Numa clara referência a Graduate é dado destaque a uma relação adultera entre Paul Finch, um dos estudantes, e a eterna mãe de Stifler. Nos anos 90, a banda Lemonheads também fez uma cover da música dando-lhe uns toques mais roqueiros que se revelaram um sucesso. Prova de como Mrs. Robinson irá permanecer a encantar as novas gerações…