Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Benfica contra Sporting: quem ganha a Supertaça?

O grande derby está a chegar e já não se fala em outra coisa, é um tema quase obrigatório em qualquer parte do país. O Benfica e o Sporting vão disputar a Supertaça Cândido Oliveira no Estádio do Algarve, em Faro. A partida vai ser no domingo às 20h45 com transmissão em directo na RTP1. Este que será a primeira partida que Jorge Jesus vai enfrentar a sua antiga equipa, algo que certamente vai apimentar este clássico do futebol português. 

As duas equipas encontram-se em estados anímicos completamente diferentes. Os leões partem com a confiança reforçada depois de uma boa pré-época e um forte investimento na qualidade da equipa, enquanto as águias ainda vivem na depressão de um final de ciclo. De destacar que o Benfica ainda não venceu um encontro nos 90 minutos nesta pré-temporada. Será bastante interessante ver como cada uma das equipas vai gerir o jogo. Numa primeira instância, o Sporting parece partir com ligeira vantagem, mas os prognósticos no desporto são sempre complexos de prever...

De referir que a Supertaça é o primeiro trófeu da época, um jogo disputado pelo campeão nacional e o vencedor da taça de Portugal. A última vez que estas duas equipas se defrontaram nesta competição foi no longíquo ano de 1987, na altura os leões acabaram por levar o trófeu para casa. 

 Quem acham que vai ganhar a Supertaça? Qual pensam ser o jogador determinante nesta partida? Como é que Jorge Jesus vai ser recebido pelos adeptos do Benfica?

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Questões inevitáveis (28) – Benfica conquista o 33.º título nacional

O Benfica venceu 2-0 o Olhanense e sagrou-se campeão nacional em 2013/2014. Os golos de Lima (57’ e 60’) no Estádio da Luz possibilitaram a conquista do 33.º título nacional da equipa das águias. Com 28 jornadas disputadas, os encarnados conquistaram vinte e três vitórias, quatro empates e apenas uma derrota. A equipa liderada por Jorge Jesus é ainda o melhor ataque (56 golos marcados) e a melhor defesa (15 golos sofridos) do campeonato.
Quando na jornada inaugural o Benfica perdeu na Madeira (2-1) poucos acreditavam num final de época mágico. O início de época foi complicado com alguns resultados fracos e exibições menos conseguidas. Da primeira à décima quinta ronda, a equipa sofreu mais três empates com Sporting (1-1), Belenenses (1-1) e Arouca (2-2). Já no final da primeira volta, o Benfica liderava com dois pontos de vantagem sobre o Sporting e três sobre o Porto. A liga parecia bastante disputada, mas os encarnados aceleram para uma segunda volta surpreendente! A faltarem duas jornadas para o final, apenas cedeu um empate com o Gil Vicente (1-1). A coesão e solidariedade entre os jogadores foi evidente e talvez tenha sido esse o segredo do sucesso encarnado. A garra e o talento fez o resto…
Ao contrário das últimas épocas, a equipa liderada por Jesus não foi tão espectacular . Foi mais pragmática , preocupando-se mais com as vitórias do que com aquela intensidade atacante. Uma demonstração de maturidade de um conjunto que no ano passado perdeu tudo em poucos dias. Na verdade, o que importa é vencer o jogo e não jogar bonito. O Benfica sobe estar bem nos momentos decisivos e acabou por ser mais forte que os seus adversários.

O Benfica é um justo campeão? Qual foi o momento determinante para esta conquista? Quem foi o jogador mais importante nesta corrida pelo título?

Confesso que não escondi que um dos meus grandes objectivos para este ano era chegar às 100 mil visitas no blogue. Hoje de manhã acordei com a boa notícia que essa meta tinha sido cumprida. Ultrapassar este patamar simboliza que o Um Mar de Recordações continua a crescer de forma sustentada. Obrigado a todos os que ajudam a que este espaço continue a desenvolver-se! Para continuar a ajudar neste crescimento, liguem-se às plataformas do blogue em:
     

Jorge Jesus: a sua renovação é a prioridade número um para o Benfica

Após 23 anos, o Benfica volta a estar numa final europeia. A equipa encarnada tem vindo aos poucos a recuperar o prestígio europeu que perdeu na década de 90. Estão a ser dados passos importantes para que o clube seja novamente uma constante em fases adiantadas das competições europeias. Um dos grandes responsáveis por este crescimento é Jorge Jesus. Desde que o treinador assumiu o comando técnico dos encarnados o pior que conseguiu foi os quartos-de-final. De facto, a glória conquistada a nível internacional tem sido mesmo o grande trunfo na carreira de Jesus na Luz…

O contrato que liga o treinador com o Benfica termina no final da presente época, algo que já possibilitou inúmeras especulações sobre qual vai ser o futuro do técnico português. Numa altura em que a equipa está na luta por três troféus, torna-se evidente que a renovação é absolutamente prioritária. A sua continuidade é sinónimo do clube continuar no trilho do sucesso. O técnico de 58 anos construiu uma equipa e tornou-a uma força a se temida. Pelo meio conquistou quatro troféus pelas águias (1 campeonato e 3 taças da liga) e permitiu que a equipa continuasse a conquistar pelo menos um título por época. Só em caso de uma hecatombe é que as águias não vão manter esse registo nesta temporada.

Se já foi alvo de várias críticas, hoje a sua continuidade é (quase) inquestionável. Para isso muito ajudou a época brilhante que protagonizou mesmo com a saída de Witsel e Javi Garcia no fecho do mercado. Se é certo que algumas teimosias já foram prejudicais à equipa (Roberto ou Emerson são os casos mais gritantes), as suas apostas e adaptações tem sido casos de sucesso. Mesmo com o seu temperamento impetuoso que já trouxe alguns momentos menos prestigiantes ao clube e da sua dificuldade em expressar-se em português, é alguém que percebe o jogo como poucos. É uma mais-valia para qualquer equipa!

Olhando friamente para os números em 210 partidas, o Benfica de Jesus venceu 147, empatou 33 e apenas perdeu 30. Uma clara demonstração de qualidade e que não está ao alcance de muitos. Ao longo das quatro épocas que se sentou no banco das águias, Jorge Jesus trouxe a mística de regresso ao Estádio da Luz. As suas ideias criaram um futebol de ataque e atractivo que há muito não se via a ser jogado pelos encarnados. O poder de fogo das águias tornou-se letal. Em todas as épocas no seu comando técnico, a equipa ultrapassou sempre os 100 golos. Os jogadores renderam muito mais e a sua maioria valeu chorudas transferências para o estrangeiro que enriqueceram os cofres da Luz. E mesmo com essas saídas, Jesus arranjou sempre forma de manter o conjunto encarnado na luta pelos títulos.

O ‘casamento’ entre Benfica e Jesus está mais forte que nunca e assim deve manter-se. As palavras do presidente Luís Filipe Vieira só vem confirmar isso mesmo. A manutenção de um treinador dá acima de tudo mais segurança e é isso que o Benfica mais precisa. É impossível vencer todos os anos, mas manter a aposta num projecto que tem tido tanto sucesso é a melhor decisão a tomar. Assim, a permanência de Jesus é fundamental para o Benfica permanecer na senda do sucesso. O técnico não tem nada a provar e já demonstrou que coloca a equipa a lutar por títulos. E nas próximas semanas está na luta por ‘apenas’ três…

 

 

(Texto também publicado no Jornal Record, a 4 de Maio de 2013)

Kelvin, o herói improvável volta a atacar

O brasileiro Kelvin voltou a vestir a pele de herói e permitiu ao FC Porto adiantar-se na luta para vencer o campeonato nacional. O extremo de 19 anos que já tinha sido decisivo no encontro com o Sp. Braga com dois golos, hoje voltou a ser decisivo nos últimos minutos da partida frente ao Benfica. Este golo pode elevar Kelvin como o jogador decisivo nesta época para os azuis-e-brancos.

Após uma época emprestado ao Rio Ave e sem ter marcado qualquer golo na liga (os dois que marcou foram na Taça de Portugal), Kelvin tem assumido uma veia goleadora nos momentos decisivos. Desta vez apenas precisou de onze minutos para fazer a diferença num jogo que parecia estar bloqueado. O remate cruzado que disparou só parou nas redes da baliza de Artur e colocou o estádio do Dragão em festa. A sua equipa foi a que lutou mais pela vitória e o seu esforço veio a ser recompensado num golo épico.

Este foi um encontro disputadíssimo entre as duas melhores equipas da actualidade no campeonato nacional. O FC Porto teve algum ascendente no encontro, exercendo um maior controle de bola, mas sem nunca conseguir criar grandes oportunidades. Já o Benfica soube sempre estancar o ímpeto dos dragões. Mas pecou em criar ataques que colocassem em sentido a defesa azul-e-branca. Na verdade foi um jogo muito táctico com poucas oportunidades de golo, até que Kelvin teve a frieza de dar um soco doloroso nas esperanças benfiquistas. Um momento que tem tudo para ser a imagem de um (possível) título conquistado.

O jogador formado no Paraná veio rotulado de esperança desde que ingressou no FC Porto em 2011 pela quantia de dois milhões de euros. Desde que chegou aos dragões, revelou sempre alguns problemas disciplinares, o que já o levou a estar sob a alçada do clube. Curiosamente, já não aparecia na equipa principal desde do início de Abril (na derrota na final da Taça da Liga frente ao Sp. Braga, no dia 13). Desta vez a sua irreverência deu frutos e provou ter sido uma aposta ganha pelo técnico Vítor Pereira.

De facto, o brasileiro regressou em força à equipa principal e mostrou personalidade. Acima de tudo assumiu o talento que já vinha a revelar nos (poucos) minutos em que jogava. Este é um momento que marca a sua curta carreira e que o pode catapultar a fazer um percurso muito interessante. Para isso é essencial manter-se focado no futebol e continuar a mostrar esta pontaria afinada nos grandes jogos. Para história, Kelvin ficará marcado como o dragão com maior pontaria no eterno clássico de 2012/13.

 

 

(Texto também publicado no Jornal Record, a 11 de Maio de 2013)