Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Sala de cinema (37) – Especial Óscares 2015

Na madrugada de ontem realizou-se a cerimónia dos Óscares com Birdman a sair como grande vencedor. Realizado no Dolby Theatre, em Los Angeles, premiou-se mais uma vez a excelência da indústria cinematográfica. Neil Patrick Harris, o inesquecível Barney da série How I meet your Mother, foi o apresentador da noite. O actor realizou um trabalho sólido mostrando toda a sua versatilidade e talento.

Numa passadeira vermelha de 90 metros longe de deslumbrar, parece ter havido o cuidado de não errar. A forte chuva que se fazia sentir talvez tenha sido iniibidora de looks mais arrojados. Poucos foram os que arriscaram, ainda assim o glamour e a beleza esteve mais uma vez presente em grande escala em Los Angeles. Com 9 indicações cada Birdman e The Grand Budapest Hotel foram os filmes com mais nomeações pelos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Este é um dos grandes fenómenos televisivos mundiais onde se estima a visualização de vários milhões de espectadores pelos quatro cantos do mundo. A octogésima sétima edição da cerimónia foi transmitida ao vivo pela emissora de televisão ABC e com o sinal que chegará a outras emissoras de mais de 225 países e territórios. Como já é tradição (ver aqui e aqui), o blogue acompanhou todo o evento em directo desde da passadeira vermelha até à entrega da última estatueta dourada.

846x.jpgx700.jpg

1 - O anfitrião da noite, Neil Patrick Harris, marcou presença no Dolby Theatre na companhia do seu marido David Burtka. Num fato cinzento, o actor de 41 anos aposta num visual mais sóbrio e elegante.

2 - Patricia Arquette foi uma das presenças mais notadas nesta noite inesquecível em Los Angeles. Elegante e num registo simples, a vencedora ao Óscar de Melhor Actriz Secundária pelo trabalho em Boyhood espalhou charme com a sua simplicidade.

10983555_940274805991726_7800564389094712409_o.jpg10982331_940295279323012_2003870654400105826_o.jpg

3 - Julianne Moore não arriscou na escolha da indumentária, optando por algo que combina com o seu tom de pele clara. A vencedora ao Óscar de Melhor Actriz pelo seu papel em Still Alice esteve sempre sorridente, provavelmente a prever a noite mágica que ia ter.  

4 - Emma Stone apareceu divinal como é natural, numa escolha perfeita. Apesar da cor ser algo incomum ficou bastante bem na actriz nomeada para Melhor Actriz Secundária pela performance em Birdman.   

Birdman, do mexicano Alejandro González Iñarritu, foi o grande vencedor da 87ª edição dos Óscares 2015. O filme levou para casa quatro Óscares, inclusive o de Melhor Filme, considerado o galardão mais importante do evento. Além disso, arrecadou ainda o de Melhor Realizador, de Melhor Argumento Original e de Melhor Fotografia.

Numa noite muito repartida a nível de prémios quem também acabou com quatro estatuetas douradas foi Grand Budapest Hotel de Wes Anderson. O filme anglo-alemão arrecadou prémios mais técnicos ao vencer as categorias de Melhor Banda-Sonora, Melhor Caracterização e Melhor Guarda-Roupa. Com três estatuetas douradas Whiplash foi uma das grandes surpresas da noite. Melhor Actor Secundário (J.K. Simmons), Melhor Mistura de Som e Melhor Montagem foram as categorias premiadas.

De facto, na representação não houve qualquer surpresa com os favoritos a conquistarem os Óscares. Julianne Moore (Still Allice) para Melhor Actriz e  Eddie Redmayne (The theory of everything) para Melhor Actor receberam os louros das suas fantásticas representações. O grande derrotado da noite – Boyhood – ganhou o único prémio da noite pelo trabalho de Patricia Arquette (Melhor Actriz Secundária), apesar de estar nomeado para seis categorias. Outros derrotados de uma longa cerimónia de quase quatro horas foram The Imitation Game (Melhor Argumento Adaptado) que em oito nomeações apenas venceu uma e American Sniper (Melhor Edição de Som) com seis nomeações e apenas uma vitória.

Big Hero 6, uma produção Disney/Marvel, ganha a estatueta dourada para melhor animação, naquela que para mim é uma agradável surpresa. Uma parceria que tem um início bastante auspicioso. Para melhor filme estrangeiro, a longa-metragem polaca Ida arrecadou o prémio. Por sua vez, John Legend e Lonnie Lynn ganham o Óscar para melhor canção, com Glory, e foram aplaudidos de pé num dos grandes momentos da noite no Dolby Theatre.

Veja a lista de todos os vencedores:

- Melhor Filme: «Birdman» 

- Melhor Ator Principal: Eddie Redmayne, em «The theory of everything» 

- Melhor Atriz Principal: Julianne Moore, em «Still Alice» 

- Melhor Ator Secundário: J. K. Simmons, em «Whiplash» 

- Melhor Atriz Secundária: Patricia Arquette, em «Boyhood» 

- Melhor Realizador: Alejandro González Iñárritu, com «Birdman» 

- Melhor Argumento Original: «Birdman» 

- Melhor Argumento Adaptado: «The Imitation Game» 

- Melhor Guarda-Roupa: «Grand Budapest Hotel» 

- Melhor Caracterização: «Grand Budapest Hotel» 

- Melhor Filme Estrangeiro: «Ida», da Polónia 

- Melhor Curta-Metragem: «The Phone Call», de Mat Kirkby e James Lucas 

- Melhor Curta Documental: «Crisis Hotline: Veterans Press 1», de Ellen Goosenberg Kent e Dana Perry 

- Melhor Mistura de Som: «Whiplash» 

- Melhor Montagem de Som: «American Sniper» 

- Melhores Efeitos Especiais: «Interstellar» 

- Melhor Curta de Animação: «Feast» 

- Melhor Filme de Animação: «Big Hero 6» 

- Melhor Direcção Artística: «Grand Budapest Hotel» 

- Melhor Fotografia: «Birdman» 

- Melhor Montagem: «Whiplash» 

- Melhor Documentário: «Citizenfour» 

- Melhor Música: «Glory», do filme «Selma» 

- Melhor Banda Sonora: Alexandre Desplat, de «Grand Budapest Hotel»

 

O que acharam desta noite de excelência cinematográfica? Birdman é o justo vencedor? Qual foi para vocês a maior surpresa? 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Sala de cinema (29) – Especial Óscares

A excelência em realizações cinematográficas esteve novamente em disputa na 86.ª edição dos Óscares, a noite mais esperada do ano para os cinéfilos de todo o mundo. Tal como aconteceu no ano passado, o blogue acompanhou em directo a cerimónia realizada no Dolby Theatre , desde a passadeira vermelha até à entrega da última estatueta dourada. Sete anos depois, Ellen Degeneres voltou a ser a escolhida para anfitriã da cerimónia, tendo feito um belo trabalho. O carisma da apresentadora de 56 anos e a sua boa disposição conduziram o evento a momentos marcantes e fascinantes.
Apesar da chuva, nada afastou o glamour da passadeira vermelha, onde as estrelas da sétima arte estiveram em grande com uma escolha certeira de indumentária . Este ano ficou marcado por nova queda de Jennifer Lawrence , actriz que desta vez saiu de mãos a abanar. Houve uma enorme tendência de vestidos sem mangas, sem dúvida algo que marcou o desfile desta noite. Um desses exemplos foi a vencedora do Óscar de Melhor Actriz Secundária que maravilhou todos num vestido Prada azul claro. Lupita Nyong’o , de 31 anos, esteve completamente deslumbrante parecendo uma autêntica princesa preparada para uma noite de conto de fadas!

Quem também esteve deslumbrante foi Cate Blanchett, de 44 anos. Num Armani, arrasou por completo neste vestido brilhante. A vencedora do Óscar de Melhor Actriz por ‘Blue Jasmine’ esteve absolutamente perfeita. Destaque ainda para as jóias escolhidas que complementaram muito bem o look. Pessoalmente, foi o meu visual preferido nesta noite.  

Jared Leto , vencedor do Óscar de Melhor Actor Secundário, jogou pelo seguro e apostou no clássico branco e preto com um lacinho vermelho que destacou o seu visual. “Eu sempre adorei o clássico e eu normalmente nunca uso fatos. Portanto esta foi uma boa oportunidade para vestir algo intemporal ”, referiu o actor de ‘Clube de Dallas’ que espalhou o seu charme na plateia feminina da carpete vermelha.

Em 24 categorias, ‘Gravidade’ e ‘Golpada Americana’ eram os filmes com mais nomeações conseguido dez cada um, mas os dois acabaram por sair do Dolby Theatre com sortes diferentes. O filme que aborda as capacidades de sobrevivência de uma astronauta inexperiente foi o grande vencedor da noite com a conquista de sete estatuetas douradas. Além do Melhor Realizador para Alfonso Cuarón , o filme de ficção cientifica arrecadou ainda a Melhor Fotografia, a Melhor Montagem, a Melhor Banda Sonora, o Melhor Som, os Melhores Efeitos Visuais e os Melhores Efeitos Sonoros. Uma noite inesquecível para esta equipa que apenas perdeu em três categorias!
Quem também teve razões para sorrir foi '12 Anos Escravo' que arrecadou o prémio mais desejado – o de Melhor Filme. A essa distinção juntou ainda o Melhor Argumento Adaptado e a Melhor Actriz Secundária com a performance da estreante Lupita Nyong’o naquela que era uma das categorias mais disputadas deste serão. O filme autobiográfico de Solomon Northup caiu nas boas graças da Academia que lhe deu um grande destaque em três dos principais prémios.
O ‘Clube de Dallas’ também conquistou três distinções. Além de Melhor Caracterização, a dupla Jared Leto (Actor Secundário) e Mattew Mccounaughey (Actor Principal) conquistaram os prémios de melhor actuação masculina, uma menção ao trabalho brutal que ambos tiveram que fazer para desempenhar estes papeis. Destaque também para a musa Cate Blanchett que deu a 'Blue Jasmine' o único prémio da noite no Óscar de Melhor Actriz Principal. A sua extraordinária representação não ficou esquecida e recebeu a merecida aclamação.
A Academia ficou maravilhada com o filme da Disney 'Frozen’ que conseguiu vencer as duas categorias para que estava nomeada - a Melhor Animação e a Melhor Canção com Let it Go . Por sua vez, a película italiana ‘A Grande Beleza’ arrecadou o Melhor Filme Estrangeiro. Uma das surpresas da noite estava reservada para o Melhor Argumento Original, com a vitória de 'Her' de Spike Jonze . Outra das surpresas foi os dois Óscares para ‘O Grande Gabsty’ vencendo nas categorias de Produção Artística e Guarda-roupa.
Pela negativa, ‘Golpada Americana’ acabou a noite sem nenhuma estatueta depois das dez nomeações conseguidas. ‘O Lobo de Wall Street ’, 'Nebraska' e 'Philomena' também ficaram de as mãos a abanar. O serão mediático e glamoroso brilhou ao mais alto nível naquele que é o sítio que premeia os melhores trabalhos da sétima arte desde 1929. Deixo-vos com o trailer daquele que foi considerado o Melhor Filme do Ano pela Academia:

 

LISTA COMPLETA DOS PREMIADOS:

Melhor filme: 12 Anos Escravo
Melhor Realização: Alfonso Cuarón (Gravidade)
Melhor actor: Matthew McConaughey (O Clube de Dallas)
Melhor actor secundário: Jared Leto (O Clube de Dallas)

Melhor actriz: Cate Blachett (Blue Jasmine)
Melhor actriz secundária: Lupita Nyong'o (12 Anos Escravo)

Melhor argumento original: Spike Jonze (Her)
Melhor argumento adaptado: John Ridley (12 Anos Escravo)

Melhor filme estrangeiro: A Grande Beleza (Itália)
Melhor filme de animação: Frozen - O Reino do Gelo
Melhor banda sonora original: Steven Price (Gravidade)

Melhor canção original: Let It Go (Frozen)

Melhor fotografia: Gravidade

Melhores efeitos visuais: Gravidade

Melhor montagem: Gravidade

Melhor mistura de som: Gravidade

Melhor montagem de som: Gravidade

Melhor caracterização: O Clube de Dallas

Melhor produção artística: O Grande Gatsby
Melhor guarda-roupa: O Grande Gatsby

Melhor documentário: 20 Feet from Stardom
Melhor documentário em curta-metragem: The Lady in Number 6
Melhor curta-metragem: Helium
Melhor curta-metragem de animação: Mr. Hublot

 

Qual foi a vossa opinião da cerimónia? As vitórias foram justas? Qual foi a maior surpresa da gala?

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

A febre da Guerra dos Tronos está de volta

As séries fantáticas estão cada vez mais na moda e isso muito se deve ao sucesso de Guerra dos Tronos, a série baseada nos livros A Song of Ice and Fire, escritos por George R. R. Martin. Após o enorme sucesso que atingiu a primeira e segundas temporadas, a terceira vai ter estreia mundial a 31 de Março (em Portugal começa a 8 de Abril através do canal SyFy).

 “Quando se joga ao jogo dos tronos, ganha-se ou morre-se. Não existe meio-termo”. Esta deve ser a frase mais importante em toda a série e que sintetiza toda a história. Produzida pelo canal HBO, a série premiada com um Emmy e Globos de Ouro é um drama épico passado no mundo de Westeros, onde ambiciosos homens e mulheres com honra e sem ela vivem numa terra onde os Verões e Invernos podem durar anos. De facto, a Guerra dos Tronos é uma aventura inteligente e empolgante do início ao fim, que é impossível abandonar.

Esta série traz guerras, intrigas, mentiras, traição, orgulho, inveja, política, preconceito, numa história onde não se sabe em quem confiar. A trama não é governada pelo típico duelo entre o bem e o mal, mas pelos interesses materiais de famílias poderosas. Além disso, a sua personagem favorita pode morrer a qualquer altura. Aqui não há medo em matar personagens… Aliás, admito que fiquei bastante surpreendido em ver tantas já terem sido mortas e acredito que isso irá continuar ao longo das próximas temporadas. Neste terceiro capitulo, que vai trazer os habituais dez episódios, tem como pano de fundo o Inverno que se aproxima rapidamente. Com tensões e acordos, animosidade e alianças, a terceira temporada desta série vai ser uma viagem emocionante num mundo inesquecível.
Este épico de George R. Martin prima por uma audácia e uma criatividade fora do comum, numa história em que existe diversos arcos narrativos em jogo. A ‘Guerra dos Tronos’ faz tanto sucesso nos últimos tempos, graças à enorme competência do escritor norte-americano. Pode parecer um paradoxo que um épico de fantasia medieval se faça notar pelo realismo, mas essa é a principal característica da sua obra. Por exemplo, a aparência física dos personagens é dada de maneira minuciosa e frequentemente impiedosa, com ênfase em defeitos físicos e cicatrizes horrorosas. Esta é, sem dúvida, uma série que considero obrigatória para os fãs de fantasia e aventura. Não percam!

 

Quais são as vossas expectativas para esta série? Qual a vossa personagem favorita? Quem pensam que vai terminar no Trono de Ferro?

 

Sala de cinema (19) – Especial Óscares

A noite mais esperada do ano para os amantes do cinema chegou finalmente. Esteve em causa a excelência em realizações cinematográficas naquela que já é a 85.ª edição que este ano foi apresentada por Seth MacFarlane , a voz de Peter Griffin em Family Guy . Pela primeira vez em dois anos de existência, o ‘Um Mar de Recordações’ acompanhou em directo a cerimónia realizada no Dolby Theatre , desde a passadeira vermelha até à entrega da última estatueta dourada.
Numa noite em que as escolhas de indumentária ficaram muito aquém do esperado, houve poucas estrelas que brilharam realmente na passadeira vermelha. No princípio da noite a chegada de Jessica Chastain trouxe algum entusiasmo. A nomeada para melhor actriz no filme Zero Dark Thirty não desapontou e espalhou beleza num longo vestido creme Armani . É verdade que não arriscou , mas também é certo que foi uma aposta ganha. O penteado também merece muitos elogios.

 

Jennifer Lawrence , também candidata a melhor actriz no filme Silver Linings Playbook , veio à cerimónia dos Óscares vestida à princesa. Num Christian Dior , a talentosa jovem mostrou que queria chegar ao trono do cinema. Apesar de um pouco conservador (confesso que esperava algo mais arrojado), a escolha resultou e foi mesmo considerada a mais bem vestida da gala. Certo é que em caso de vitória, iria precisar de muita ajuda para subir as escadas, mas com certeza não irá haver voluntários para querer ajudá-la...

 

 

Aos 44 anos, Naomi Watts mostra toda a sua elegância e beleza. A vestir Armani, a nomeada para melhor actriz pela interpretação em Impossível, escolheu o cinzento metalizado que foi uma das cores mais frequentes desta noite. O corte do vestido é qualquer coisa de espectacular. Uma aposta segura para uma das mais bem vestidas nesta noite.

 

 

Por último, quem também esteve em destaque foi Amanda Seyfried . Apesar de não estar nomeada para uma categoria individual, a loira de 27 anos trouxe algum brilho a uma noite muito morna. Para cerimónia, a actriz dos Miseráveis esteve totalmente magnífica neste lindíssimo vestido de Alexander McQueen que tinha uns padrões geniais.

 

 

Desde 1929, a premiar os melhores trabalhos da sétima arte as expectativas não podiam estar mais altas. Em 24 categorias, Lincoln era o filme com mais nomeações para este ano com 12, mais uma que a Vida de Pi . Destaque para Silver Linings Playbook que conseguiu a nomeação para todas as quatro categorias de actuação, o último filme que tinha alcançado esse feito foi Reds , em 1981.
Numa cerimónia com pouca chama, Argo foi o grande vencedor da noite ao arrecadar o Óscar de melhor filme apresentado pela primeira-dama Michelle Obama (naquela que foi uma das grandes surpresas da noite). O suspense dramático realizado por Bem Aflleck venceu ainda nas categorias de Melhor Montagem e de Melhor Argumento Adaptado.
O evento ficou marcado pela histórica vitória do britânico Daniel Day-Lewis que tornou-se o primeiro a conseguir três Óscares de Melhor Actor. Depois de O Meu Pé Esquerdo e Haverá Sangue, conseguiu também, com Lincoln , reforçar o estatuto de lenda viva na 7.ª arte! Uma consagração justa que justifica a qualidade apresentada na longa-metragem que foi a grande derrotada da noite. A obra de Spielberg era a mais nomeada, mas só venceu mais um prémio – Desenho de Produção.
A bela Jennifer Lawrence arrecadou o prémio para Melhor Actriz e deu a única estatueta dourada para o Silver Linings Playbook . Mesmo a cair nas escadas, a 'princesa da noite' alcançou a eternidade no cinema ao conquistar o maior troféu com apenas 22 anos. Um prémio mais que merecido para esta jovem talentosa que surpreendeu a crítica com uma performance brilhante.
A vida de pi venceu quatro Óscares e acabou a noite com o maior número de vitórias, uma demonstração de como não houve um filme que dominasse a cerimónia. Além de Melhores Efeitos Visuais, Fotografia, Banda Sonora, o filme valeu a Ang Lee o troféu de Melhor Realizador numa das categorias mais disputadas.
Numa cerimónia que homenageou os musicais, Os Miseráveis conseguiram levar para casa três estatuetas: a esperada de Melhor Actriz Secundária (Anne Hathaway), Maquilhagem e Efeitos Sonoros. O cinquentenário de 007 também não foi esquecido e Skyfall ganhou a Melhor Canção Original e partilhou o Óscar de Montagem de Som com Zero Dark Thirty. Um empate invulgar que só aconteceu em outras cinco ocasiões, sendo que a última foi em 1994 na categoria de melhor curta-metragem.
Quentin Tarantino também voltou a conquistar um Óscar de Argumento Original (depois de Pulp Fiction), graças a Django Libertado, filme que deu ainda o prémio de Melhor Actor Secundário a Christoph Waltz . Tarantino arrecada uma nova distinção que já merecia. A Academia parece (finalmente) dar o devido destaque ao realizador, até porque estava a tornar-se absurdo este constante 'esquecimento'. Menção para portuguesa Rita Blanco que pertenceu ao elenco de Amour, vencedor do Filme Estrangeiro. A película austríaca era a grande favorita e foi com naturalidade que venceu a estatueta.
No final, os Óscares não tiveram muitas surpresas do que aquilo que se esperava desta gala e mostrou novamente que a Academia é pouco adepta a pasmar a audiência. O serão foi bem conduzido por MacFarlane , um dos melhores apresentadores dos últimos anos, que no seu estilo polémico conseguiu roubar muitos aplausos e gargalhadas ao público presente no Dolby Theatre . Ficamos então com o trailer do vencedor da noite… Argo !

 

LISTA COMPLETA DOS PREMIADOS:

Melhor Filme - 'Argo'

Melhor Actor - 'Lincoln' (Daniel Day-Lewis)
Melhor Actriz - 'Guia Para um Final Feliz' (Jennifer Lawrence)

Melhor Realizador - 'A Vida de Pi' (Ang Lee)

Melhor Actriz Secundária - 'Os Miseráveis' (Anne Hathaway)
Melhor Actor Secundário - 'Django Libertado' (Christoph Waltz)

Melhor Filme Estrangeiro - ‘Amour'

Melhor Filme de Animação - ‘Brave - Indomável'

Melhor Argumento Adaptado - 'Argo'

Melhor Argumento Original - 'Django Libertado'

Melhor Fotografia - ‘A Vida de Pi'

Melhor Guarda-Roupa - ‘Anna Karenina'

Melhor Montagem - 'Argo'

Melhor Desenho de Produção - 'Lincoln'

Melhores Efeitos Especiais - ‘A Vida de Pi'
Melhor Montagem de Som - '00:30 - A Hora Negra' e 'Skyfall'

Melhor Edição de Efeitos Sonoros - 'Os Miseráveis'

Melhor Banda Sonora Original - 'A Vida de Pi'
Melhor Canção Original - 'Skyfall' (por Adele)

Melhor Maquilhagem - ‘Os Miseráveis'

Melhor Curta-Metragem de Animação - ‘Paperman' (Disney)

Melhor Curta-Metragem - 'Curfew'

Melhor Curta-Metragem Documental - 'Inocente'
Melhor Documentário - 'Searching for Sugar Man'


Qual foi a vossa opinião da cerimónia? As vitórias foram justas? Quem foi o grande vencedor: A vida de pi ou Argo ? Qual foi a maior surpresa da gala?

A última cartada...

Preparo-me para o grande momento, visto-me a preceito. Quero estar melhor do que nunca, quero arrasar. Está quase na hora do espectáculo e vou demonstrar mais uma vez a minha qualidade ao mundo. Estou pronto para a luta. Saio do quarto de hotel, do meu local de concentração para o louco mundo. Lá fora é uma selva cheia de predadores. O pensamento faz-me sorrir. Curioso, em competição o único predador sou eu.
Ao descer as escadas, começo a ouvir o barulho das várias pessoas que me esperam. Assim que apareço, os flashes das câmaras disparam. Há dois anos tudo isto parecia um sonho, mas desde que comecei a vencer… parece que o mundo está aos meus pés. Hoje o aparato é maior, estamos no maior torneio de poker do planeta. O ambiente está ao rubro, o entusiasmo gerado é impressionante. Há uma tensão enorme. No entanto, para mim, estamos apenas na final de mais um torneio. Tudo o que conquistei foi com esta calma e serenidade. Na mesa, apenas restam dois jogadores: eu e um norte-americano.
Olho despreocupadamente para o meu adversário. Já se encontra sentado e demonstra um enorme nervosismo. Aparentemente não vai dar muito trabalho. Demasiado básico e irracional. Não está habituado a estes palcos. A batalha ainda não começou e já lhe escorre suor pela cara. Sorri. Criei realmente um legado. Estou invicto há mais de trinta torneios, já ganhei tanto dinheiro que não sei o que vou fazer com ele. Mas continuo a jogar como se ainda precisasse disso para viver, é o meu vício. 
O ambiente na sala está infernal, a expectativa está diante de mim e do meu adversário. Estou em clara vantagem com o dobro das fichas dele. O coupiet dá as cartas. A batalha voltou a começar. Uma dezena de jogadas vem cimentar a minha vantagem. Recebo um às e um rei, nada mal. Volto a sorrir, desta vez para o meu oponente. Ele aposta alto. Sei que estou em vantagem e tenho quase a certeza que esta mão vai terminar o torneio, por isso aposto as restantes fichas que o meu oponente ainda dispõe. Ficou nervoso, pude vê-lo. Não sabia o que fazer, desesperadamente tentou ler-me a jogada. Não conseguiu e apostou… 

[Ficção]

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||