Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Recordação...

Hoje não passas de uma memória, de uma simples e bela recordação. Hoje és o passado que já foi o meu futuro. Consigo ver-te nesta espiral de recordações, neste longo mar de recordações. Sempre foste a pessoa que mais amei que mais me tocou, mas hoje choro por ti! Chove e tu não podes fazer nada. Sempre foste tão forte e agora nem consegues abrigar-te da chuva! Nunca pensei ver-te assim, caiem-me lágrimas de olhar e não poder ver-te, a partir de agora és apenas e só uma pedra. Uma pedra com escrituras… Merecias mais amor, merecias muito mais… Porquê é que teve que ser assim? Fomos separados sem desejá-lo, numa volúpia arrasadora e letal. Mas hoje o dia ainda é nosso, por hoje seremos mais uma vez só nós dois, amanhã apenas restarei eu, sozinho, perdido num mundo que já não conheço e que dizia a sorrir que era nosso.

[Ficção]

IMG_0417.JPG

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

A jogada que mudou uma vida...

Naquelas duas semanas a capital francesa respirava e vivia ténis. Realizava-se Roland Garros, o grande torneio de terra batida. Uma das competições que criava autênticas lendas no desporto. Hoje, naquele dia quente, jogava-se a final de singulares masculina. Um jovem jogador saltava nervosamente tentando afastar a pressão, enquanto olhava para o outro lado do campo. Diante de si tinha aquele que era considerado como o deus da terra batida, um desportista espanhol que parecia quase invencível naquele terreno. O jogo encontrava-se no quinto set, no tie break final com vantagem para o rapaz de apenas 18 anos. Estava muito próximo de cometer um dos maiores feitos do desporto actual caso conseguisse mais um ponto. Agarrou a raquete com mais força sentido a responsabilidade da próxima jogada. Desejava aquele winner de direita que o catapulta-se para o sucesso. Era a grande chance de marcar uma geração, apenas precisava de bater uma resposta forte e imponente, sabia que tinha que acabar com o jogo o mais rápido possível. 

Um silêncio imperava naquele estádio esgotado, sentia-se a ansiedade naquele jogada que podia ser decisiva, o público olhava impacientemente esperando a decisão daquele emblemático duelo de gerações. O seu adversário levantou a bola e disparou um serviço muito forte, mas que saiu um pouco ao lado do campo. "Segundo serviço!", rugiu o árbitro da partida, numa voz grave e intensa. O jovem sueco passou a mão por uma testa suada, exausto pelas quatro horas daquele duelo intenso. A inesperada estrela avançou para o outro lado do campo, aquela era a sua chance de vencer algo grandioso e, logo, diante de um autêntico herói local. Ia aproveitar o desespero e a pressão do seu experiente adversário. Preparou-se para o ponto de uma vida, para a jogada que ia mudar a sua vida para sempre...

No segundo serviço, a bola viajou para o seu campo com imenso spin, contudo o sueco conseguiu acertar nela com uma força arrasadora. Ainda assim, o combativo espanhol chegou à bola com dificuldade. O pequeno esférico acabou a pingar muito próximo da rede. O talentoso adolescente correu com a pouca força que ainda possuía, deu tudo o que tinha naquela corrida decisiva. Atacar aquela bola era sinónimo de glória eterna. A bola estava em queda livre, mas não desistiu. Arriscou e deu um salto num enorme esforço para evitar que a bola batesse no solo. Conseguiu tocar-lhe levemente, não evitando uma colisão forte no chão. Naqueles pequenos segundos não sabia qual tinha sido o destino do jogo. O coração acelerou freneticamente. Antes de virar a cara à procura da bola, um estrondoso ruído ouviu-se pelo recinto. Olhou para o campo adversário e lá estava a pequena bola amarela. Tinha conseguido, conquistou o encontro e o torneio. Largou um enorme sorriso, afinal não era todos os dias que se alcançava um sonho de uma vida...

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Por fim, ele deixou de adiar o inevitável

Estava sentado no restaurante que tinha sido o palco de muitos encontros daquele antigo casal. Recordou-se dos bons momentos que passaram juntos, eram verdadeiras almas gémeas. Encontrava-se especialmente nervoso e tenso. Engoliu em seco quando a viu, vinha com um vestido branco que lhe destacava o tom de pele. Estava simplesmente maravilhosa! Maria Branco era a luz de uma vida que tinha permanecido demasiado tempo na escuridão. A jovem mulher deu um sorriso nervoso quando o viu. Teria ela reparado que Rodrigo Fernandes estava sentado na mesa do costume? Aquela em que tinham partilhado tantos serões de amor.

Rodrigo Fernandes desejava ardentemente que aquela noite fosse especial, teria de tornar aquelas horas marcantes. Aquela seria uma noite mágica, não tinha dúvidas disso. Não havia outra alternativa, Maria Branco estaria de regresso a Inglaterra no dia seguinte… Cumprimentaram-se de forma amistosa com dois beijos nas bochechas que duraram mais tempo do que normal. A conversa surgiu com a naturalidade do costume, a ligação parecia mais intensa que nunca. O tempo tinha-a aprimorado de alguma forma. Não tiravam os olhos um do outro, nada mais importava naquela sala além deles os dois.

A noite foi passando depressa demais, trocaram confidências e meteram a conversa em dia depois de anos afastados por os diferentes caminhos que as suas vidas tomaram. Ambos tinham a sua parte de relacionamentos falhados, chegaram sempre a conclusão de que faltava algo que já tinha tido no passado. Nenhum dos dois disfarçava o quanto se desejavam. Ficaram durante horas naquele restaurante em que tantas recordações perduravam. Estavam mergulhados naquele amor que nunca esqueceram. Quando saíram daquele estabelecimento passearam de mãos dadas pelas ruas que tinham assistido ao nascimento daquela relação. Rodrigo Fernandes sentiu um nó na barriga quando sentiu a pele dela. Dormiram juntos, não se conseguiram despedir naquela noite fria.

Os primeiros raios de sol acordaram um Rodrigo Fernandes ainda sonolento. A cama estava vazia, Maria Branco estava a fazer algumas arrumações de última hora. Quando reparou que ele se tinha levantado largou um olhar triste. “Obrigado por me teres voltado fazer acreditar”, disse num tom de voz melancólico. Automaticamente, o jovem apaixonado abraçou-a carinhosamente. “Tenho uma proposta para trabalhar em Liverpool. Deixei-te fugir uma vez, não tenciono voltar a cometer o mesmo erro”, disse-lhe ao ouvido. Os dois permaneceram abraçados, agradecendo ao destino a possibilidade de voltar a junta-los de uma forma incrível. 

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3

Recentemente, o 'Um Mar de Recordações' chegou aos 12 mil comentários! Um número que jamais esperava atingir, só posso agradecer a cada pessoa que perdeu um bocado do seu tempo para deixar umas palavras neste espaço. O vosso constante carinho é o combustível perfeito para continuar a trabalhar. O meu obrigado a todos! Não se esqueçam que o blogue agora também tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

        

Um pequeno encontrão do destino

“Desculpe, quer alguma coisa?”, disse uma jovem loira que não devia ter mais de vinte anos. Fitava aquele homem com um olhar inquisidor, olhando-o fixamente. Por seu lado, Rodrigo Fernandes ficou com as esperanças despedaçadas. Desejava com todas as forças que aquela mulher fosse o seu antigo amor, mas quando a ouviu falar percebeu rapidamente que não era a mesma pessoa. As feições eram muito semelhantes, estranhamente parecidas, mas as parecenças ficavam por aí. Ainda assim não deixou de ter a sensação que conhecia aquela pessoa de algum lado…
Rodrigo Fernandes suspirou longamente. Voltou à realidade e desculpou-se embaraçado por aquele gesto intempestivo. Regressou à sua mesa e bebeu o mais depressa que conseguiu o seu café matinal. Rapidamente mergulhou naquela espiral depressiva. A ténue esperança tinha sido abruptamente arrasada com a dura realidade. Poucos minutos depois, pagou a conta e começou a dar passos apressados para sair daquele estabelecimento. Queria sair daquele lugar o mais rápido que conseguia, estava chateado consigo próprio por aquela atitude infantil.
Ia abrir à porta quando embateu em alguém, o que o fez fechar os olhos com uma dor intensa na cabeça. Massageou instantaneamente o local que lhe doía. Só depois reparou na pessoa que estava no chão atordoada. Os seus olhos arregalaram, agora não tinha dúvidas. Diante de si estava Maria Branco, a sua antiga namorada. Ela olhou-o com aqueles intensos olhos e rapidamente o reconheceu. Largou um pequeno sorriso. “O que estás aqui a fazer?”, perguntou Rodrigo Fernandes no chão, sem fazer qualquer tentativa de levantar-se. “Vim ter com a minha irmã…”, respondeu-lhe naquele tom de voz doce, apontado para a mesa da jovem que tinha interpelado há bem pouco tempo. Deu um pequeno esgar, aquela era a pequena Rita Branco, a sensação que tinha tido estava então correcta.
Permaneceram no chão a tocar algumas palavras, era óbvio que havia uma conexão quase instantânea, normal numa relação que tinha durado cinco anos. Maria Branco convidou-o a ficar mais um pouco, aquele pedido era tudo o que ele desejava. Sem esconder a tristeza, teve de recusar. Não tinha outra hipótese, pois estava a começar a ficar atrasado para o trabalho. Prometeram combinar um café para o dia seguinte, o seu coração batia a mil a hora. Rodrigo Fernandes deu-lhe um cartão com o seu número, as suas mãos tocaram-se. Havia uma ligação que não podiam negar… Foram os dois em direcções opostas, no dia seguinte acabariam por ter um intenso e inesquecível encontro…

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3

Aqui está a segunda parte do conto numa votação disputada! Com 33 votos (52% da votação) num universo de 63 leitores votantes, a continuação escolhida foi que o Rodrigo Fernandes encontrasse a sua antiga namorada. Decidi dar continuidade à história para uma terceira e derradeira parte! O 'Um Mar de Recordações' agora tem uma conta no Twitter, portanto o pessoal que anda por lá, faça o favor de adicionar aqui.  Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

        

Uma vida sem rumo...

Acordara particularmente nostálgico, sentia que tudo na sua vida fora desperdiçada . Apesar de estar no emprego de sonho não se encontrava satisfeito, estava sem rumo. Sentia-se sozinho, não tinha ninguém que considerava um verdadeiro amigo. Já não tinha namorada há mais de dois anos, estava desequilibrado emocionalmente. Na noite anterior tinha sonhado com o seu primeiro e verdadeiro amor. Era estranho como ainda recordava todos os seus traços como se a tivesse visto há poucos dias…

Viveram um intenso romance durante cinco anos, pareciam ser feitos um para o outro. Até que ela foi para uma universidade em Inglaterra, o que ditou o fim do relacionamento. Ficou despedaçado quando ela partiu. Depois disso, a sua vida perdera o rumo. Apenas sobrevivia sem grande garra, provavelmente seria por causa disso que todas as outras relações tinham corrido mal. Nunca se esforçava verdadeiramente para que elas tivessem um final feliz. Na verdade, começava a perder a esperança que isso alguma vez acontecesse...

Deu um longo suspiro, como é que a sua vida tinha chegado aquele ponto? Saiu para tomar um café para despertar os sentidos, avançava num passo lento e descoordenado . Aquele ia ser um dia complicado de lidar. Entrou no estabelecimento e sentou-se no lugar do costume. Esperou pelo seu café matinal. Aquela era a sua rotina há tanto tempo que já não precisava de pedir. Olhou despreocupado para as pessoas que estavam no café. Engoliu em seco. A poucos metros de distância estava uma loira. Aquele cabelo… Poderia ser? Não queria acreditar nisso, levantou-se e foi tirar as dúvidas…

Parte 1 || Parte 2 || Parte 3
Como queres que acabe esta história?
  
pollcode.com free polls 

Se gostas do Um Mar de Recordações, então ajuda a fazê-lo crescer em:

     

Saudades de ti

O meu coração vive atormentado com saudades por não te ter aqui junto a mim. Passaram-se dias desde a última vez que te vi, e é cada vez mais insuportável passar esses dias sem o teu sorriso e carinho. Sinto a tua falta, preciso de ti! Nunca soube lidar bem com esta saudade impossível de suportar. A única coisa que me consola nestes momentos de dor é que a cada dia que passa fico mais perto do teu fabuloso toque.
Enquanto isso desespero pelo nosso reencontro. Não consigo resistir a sonhar e pensar em ti a cada momento. Por muito longe que estejas, a verdade é que não saís do meu pensamento, nem do meu coração. Nenhum obstáculo é forte o suficiente para me afastar do prazer de recordar todos os momentos de felicidade que já passamos juntos. Não consigo esconder o sorriso de quão feliz me fazes, meu amor!
Sei que quando voltarmos a estar juntos vai ser uma explosão de sentimentos. Na realidade, não há maior felicidade que ter-te novamente nos meus braços. Só de pensar nisso fico completamente arrepiado… E sabes o que é que tudo isto quer dizer? É simples, minha amada… Significa que amo-te incondicionalmente de uma forma que nem eu sei explicar e que teres aparecido foi a melhor coisa que me aconteceu na minha vida!

Quando te vi o meu coração tremeu

Desde que vi esse teu sorriso maravilhoso descobri que não precisava de amar mais ninguém, pois contigo seria feliz para sempre. Parece estranho mas tive a certeza disso na nossa primeira troca de olhares. Quando te vi o meu coração tremeu e a partir daí persistes nele e aqueceste-o com esse teu jeito de amar. Senti-me totalmente enfeitiçado por esses teus doces olhos que fizeram-me viajar pelas mais belas volúpias de amor.

Na verdade, desde aí descobri que tudo o que mais queria era ficar contigo, só precisava de ti para ser totalmente feliz fosse em qualquer circunstância . E não poderia estar mais correcto! É impossível não amar-te cada vez mais. A minha vida mudou totalmente desde que te conheci. Tornou-se memorável e inesquecível desde que chegaste. Marcaste o meu coração! Tudo vale a pena ser vivido com a maior intensidade.

Podes confiar em mim e acreditar que vamos continuar a ser felizes para eternidade, essa é uma promessa fácil que te posso fazer todos os dias. Contigo sou genuinamente feliz como nunca o fui! Hoje e todos os dias da minha vida só quero dizer que te amo muito e que basta estarmos juntos para ultrapassar qualquer obstáculos. Juntos somos e seremos um só.