Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Ao som de (34) – Música para um treino perfeito

Quem me segue no Instagram (@miguel_alexandre7) já sabe que eu ando a treinar para a Meia-Maratona de Lisboa que decorre dia 22 deste mês. Assim sendo, tenho treinado diariamente para estar preparado para o desafio. Uma das coisas que considero indispensáveis para os treinos é uma banda sonora para acompanhar o exercício físico. É a melhor maneira de manter focado e preparado para ultrapassar os quilómetros. É perfeito para ganhar um bom ritmo. Para mim uma boa música permite a que o treino seja mais fluido e mais fácil de ultrapassar. Hoje vou-vos deixar as minhas preferidas para me colocar na zona.  

Queen - Don’t stop me now: A melhor forma de aumentar o ritmo é ouvir a emblemática Don't Stop Me Now (1978), dos Queen. Na voz do talentoso Freddie Mercury, é uma das músicas que me deixa mais envolvido. 

Van Halen – Jump: Em 1984, Jump, dos Van Halen, assaltou por completo as rádios por todo o mundo. Pessoalmente tem uma energia tão positiva que me deixa sempre com um sorriso autêntico sempre que a oiço. 

Survivor - Eye of the Tiger: Celebrizada na saga Rocky, Eye of the Tiger é um balsamo de boa energia e motivação. Lançada em 1982, tornou-se num sucesso mundial e catapultou os Survivor à fama mundial. 

 

Quais são as vossas músicas de eleição para fazer desporto?

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Ao som de (20) [Queen - Bohemian Rhapsody]

A vigésima edição desta rubrica é uma homenagem a uma das minhas bandas favoritas. Os Queen foram formados em 1971 e eram compostos por Freddie Mercury, Bryan May, John Deacon e Roger Taylor . Aquela que é uma das referências musicais conseguiu vender mais de 300 milhões de discos no mundo inteiro.

O grupo começou a dar os primeiros passos em Londres conseguindo lançar o seu primeiro cd (“Queen”) em 1973 que viria a ser o prólogo da glória futura. Desde cedo conquistaram o público com a sua irreverência e um talento impressionante. A sua originalidade permitiu a criação de vários êxitos que a tornaram num dos maiores sucessos musicais de sempre. A história da banda viria a ficar tragicamente marcada em 1991, ano da morte de Freddie Mercury, com apenas 45 anos. O vocalista sucumbiu vítima de uma broncopneumonia, decorrente da SIDA. Quatro anos depois, o grupo britânico viria a lançar o último cd intitulado ironicamente de “Made in Heaven”.

A música que escolhi foi do início de carreira da banda. Composta em 1975, a Bohemian Rhapsody integra o álbum “A Night at the Opera”. Esta canção tem a particularidade de não possuir refrão e consiste em três momentos fundamentais: um segmento de balada que acaba com um solo de guitarra, uma passagem operística e uma secção de hard rock. Apesar de ter-se tornado numa das mais emblemáticas músicas da história foi recebida com algumas críticas iniciais.

Ainda assim, a canção recebeu inúmeras distinções e tornou-se num sucesso comercial. Em apenas dois anos, a British Phonographic Industry nomeou-a como o melhor single britânico no período de 1952-1977. Por sua vez, a revista Rolling Stone colocou a Bohemian Rhapsody na 163° posição na lista das 500 melhores músicas de sempre, e considerou ainda o solo de guitarra como o 20° melhor solo de todos os tempos. Em 2004, a música foi incluída no Grammy Hall of Fame.