Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Questões inevitáveis (30) – Graffiti

Ao sairmos a rua, é difícil encontrar uma lugar impune de grafftis . Alguns chamam-lhe arte, outros vandalismo. De facto, a arte urbana está cada vez mais forte e multiplica-se por todo o lado, independente dessa actividade ser proibida por lei. A verdade é que este um debate controverso e que dificilmente conseguimos ficar alheados.
Considera-se grafite uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade, normalmente um espaço público. Podem ficar surpreendidos , mas os primeiros graffitis surgiram na antiguidade (Egipto, Grécia e Roma), altura em que já havia inscrições feitas em paredes. O crescimento mediático surgiu nos anos 60 como suporte para inscrições de carácter poético e político. Deu-se também uma proliferação de estilos estando também associados a diferentes movimentos e tribos urbanas, como o hip-hop, e a variados graus de transgressão.
Dentro dos seguidores desta cultura, Jean-Michel Basquiat tornou-se um dos mais famosos, ganhando a fama de neo-expressionista com os seus trabalhos nas paredes dos prédios abandonados de Manhattan. O norte-americano acabou por tornar-se um dos mais significativos artistas do final do século XX, apesar de ter morrido apenas com 27 anos. Aliás, a imagem de hoje é um dos trabalhos deste nova-iorquino.

Afinal o graffiti é uma forma de arte ou puro vandalismo? Qual acham ser a razão para o seu crescimento?

O 'Um Mar de Recordações' chegou ao bonito número de 300 seguidores no Sapo Blogs. O meu obrigado a todas as pessoas que tem apoiado este projecto ao longo dos anos. Tem sido uma viagem fantástica! Entretanto, continua a ajudar a fazer o blogue crescer em:

     

Lutar pelos sonhos… lá fora

Com o acentuar da crise económica, é cada vez mais frequente ver jovens a abandonar o país. Em Portugal, parece ser uma missão impossível encontrar emprego. Torna-se difícil lutar pelos sonhos aqui (será que ainda é possível?), visto que as hipóteses são cada vez menos. Enquanto isso, os sinais de melhoria são inexistentes e os obstáculos cada vez mais numerosos. Será que ainda vale a pena ter alguma esperança e lutar pelos nossos sonhos neste país? Cada vez é mais difícil acreditar que sim isso é possível…

Quase metade dos jovens portugueses está afastada do mercado de trabalho. Segundo números do Instituto Nacional de Estatística (INE) para o segundo trimestre deste ano, a taxa de desemprego real para os menores de 25 anos é de 48,7%, ou seja, afecta mais de 234 mil jovens. Estes números demonstram a situação crítica que Portugal atravessa e os problemas sociais que isso pode motivar. A verdade é que neste momento o nosso país é um local a evitar para quem quer ter futuro.

A economia não consegue gerar empregos suficientes para absorver a mão-de-obra jovem, mas isso não pode ser usado como desculpa para não se fazer nada para resolver esta questão. A verdade é que os jovens neste país estão totalmente estagnados! Naquela que é a geração com maior formação académica, é absurdo a forma como nós somos tratados! Parece que andamos a tirar cursos para absolutamente nada. Aposta-se na educação, mas depois disso o que temos é zero. Trabalho zero, perspectivas zero e sonhos zero.

Os anos passam e não há melhorias. Ninguém gosta de se sentir a mais e ver o seu futuro esfumarem-se. Num país que cada vez acredita menos nos jovens, a solução passa por ir embora. Sair daqui, ir para um sítio onde sejamos realmente valorizados! Ir à procura de uma vida melhor. Chega de sermos esmagados! Basta de nos sentirmos uns fracassados! Para nós não há um verdadeiro lugar na sociedade, um espaço onde seja possível aproveitar a energia, inteligência e entusiasmo desta nova geração.  O melhor a fazer? Desaparecer daqui!

 

 

Exclusivo*: Centros comerciais em risco de fechar

Dois centros comerciais, na Margem Sul, estão em risco de fechar devido às fracas receitas que tem registado nos últimos meses. Algumas das grandes marcas destas superfícies comerciais já fecharam as suas delegações ou estão em vias de fechar. O encerramento dos dois estabelecimentos é uma das medidas que está a ser avaliada pelos administradores.

Os gestores destas superficeis comerciais estão a tentar encontrar formas de tornar o negócio rentável, mas a grave crise económica tem afastado os clientes das lojas. “Tem existido reuniões para encontrar uma solução, mas não tem sido fácil relançar o investimento. Estão a ser estudadas alternativas”, reconhece uma fonte ligada ao processo.

As promoções tem sido a principal aposta das várias marcas, mas essa medida não tem servido para gerar lucro. “Existem demasiadas superfícies comerciais na Margem Sul. A grande oferta na zona está a revelar-se muito prejudicial para o negócio”, revela um dos funcionários de uma das superfícies comerciais em causa, que preferiu ficar em anonimato. No distrito de Setúbal estão sete centros comerciasi abertas, mas entre Almada e Barreiro estão sediadas quatro empreendimentos deste tipo.

Entre os funcionários das duas superfícies comerciais há muita apreensão e um medo generalizado de ficar sem o posto de trabalho. “A situação agravou-se, pois algumas das principais marcas estão a fechar as portas, o que pode afastar ainda mais as pessoas. Sem os produtos e as marcas conhecidas é muito díficil continuar”, adianta o mesmo funcionário.

O investimento de vários milhões de euros na construção destes dois empreendimentos e as centenas de postos de trabalho em risco, leva a que  esteja a ser feito um esforço enorme na manutenção dos centros comerciais abertos. “Existe a hipótese de criar um novo tipo de negócio, de forma, a rentabilizar o espaço. Todas as hipóteses estão em cima da mesa”, confirma fonte muito próxima do processo. O final do ano vai ser o momento decisivo para que os diferentes administradores tomem uma decisão sobre o futuro da sua infra-estrutura.

 

*Esta notícia é exlusiva do blogue Um Mar de Recordações.

 

Uma incompatibilidade de preços

Os preços dos combustíveis voltaram a subir nesta semana para um valor recorde. Só desde o início do ano, o preço da gasolina já aumentou mais de 25 cêntimos por litro, o que corresponde a um aumento de quase 17% em pouco mais de três meses. O gasóleo, por seu turno, está 13 cêntimos mais caro do que em Janeiro, o que se traduz num aumento de 9%.
Nesta semana, o preço atingiu máximos históricos com o litro de gasolina a custar 1,769 euros, enquanto o do gasóleo é de 1,529 euros/litro. Este aumento explica-se pela variação da cotação média dos produtos refinados nos mercados internacionais, mas as tensões entre o Irão e os países ocidentais e a crise na zona euro também não vem ajudar a esta situação.
Em Portugal, usar carro começa a ser para rico e andar a pé ou de bicicleta vão voltar a estar presentes no quotidiano dos portugueses. Não podemos ser fatalistas e pensar só nos aspectos negativos, a verdade é que este aumento pode permitir aos portugueses fazer exercício e ter uma vida mais saudável. Além disso, isso também pode promover o aumento de pessoas nos transportes públicos e, consequentemente, menor poluição. É certo que a principio esta é uma situação difícil de gerir, até porque se viveu durante muitos anos com uma excessiva utilização do carro, demasiados anos...
Na verdade, os preços praticados pelas gasolineiras em Portugal são totalmente impraticáveis numa situação normal, quanto mais em tempo de crise… Numa altura em que os gastos devem ser cada vez mais reflectidos, para um cidadão de classe média estes são preços totalmente incompatíveis . Mais uma contrariedade numa vida cada vez mais difícil de gerir.
A escolha de gasolineiras com preços mais acessíveis é cada vez uma acção mais rotineira por parte dos portugueses. E é uma atitude que cada vez mais se compreende… Já em zonas fronteiriças a solução é relativamente simples: abastecer em Espanha, onde os preços são menos elevados. Mas para as restantes zonas do país, o problema tende a tornar-se cada vez mais grave e o melhor a fazer é mesmo deixar o carro em casa. Pessoalmente, tenho começado a fazer isso mesmo, até porque andar faz tão bem…

 

Uma língua em perigo

Hoje tudo é escrito na Internet, desde um trabalho indispensável a algo sem importância. Desde pesquisas à elaboração de textos tudo passa pela Internet. É um ciclo vicioso. A sociedade está viciada em trabalhar neste dispositivo o que, no meu ponto de vista, a médio/longo prazo pode castigar a língua portuguesa. Não tenho quaisquer rodeios em expressar a minha opinião no que se trata deste facto, um vez que várias abreviaturas e erros básicos começaram a aparecer de uma forma estonteante com a banalização que se tem tornado o uso da Internet.

Perante isto fica-se com uma dúvida: será que a internet ajuda a que apareçam mais erros ortográficos ou ela vem apenas o levantar do véu de  muitos problemas linguísticos? Para mim, vem ajudar a que os erros aumentem. A velocidade com que se digita informação detém, naturalmente, inúmeras gralhas. A comunicação é mais rápida, eficiente e o mais importante de tudo é grátis, o que leva a uma grande procura. De acordo com a Agência para a Sociedade do Conhecimento (UMIC), no primeiro trimestre de 2010, aproximadamente metade dos lares de Portugal continental (48,8%) dispunham de acesso à Internet. Se é bom para um país estar evoluído tecnologicamente o que se pode dizer da possibilidade das perdas diárias do uso do bom português? Esta democratização da Internet pode causar estragos em pequena ou media escala causa a nível nacional num futuro próximo, principalmente na faixa etária mais jovem.

Normalmente o uso de abreviaturas é bastante utilizado neste espaço, algo que até podia ser bom. Até porque se treina o processo de abreviação, mas tornar-se um malefício pois o uso torna-se tão recorrente que acaba-se por assimilar essa abreviação como a verdadeira palavra. Dados referentes a 2010 confirmam que a Internet é usada para procura ou verificação de factos por 42,2% dos internautas. O problema nisso é que criou-se a lógica que se está na Internet, é porque a informação é correcta e fidedigna. Um erro comum cada vez mais recorrente. Com tudo isto um grande problema começa a nascer: o desprezo pelos livros.

Assim sendo, a rápida pesquisa na Internet torna-se indispensável para o uso de trabalhos. Nas escolas, por exemplo, isso é já uma exigência. Mas esse requisito pode ser prejudicial, uma vez que o computador assinala e corrige os erros que são feitos ao longo da sua redacção. O utilizador não dá a devida importância aos erros acabando por voltar repeti-los num futuro próximo. O erro torna-se natural e escrever de forma correcta não…

A excessividade de erros e o uso frequente do “calão” são normais no dia-a-dia da Internet, espaço onde a língua portuguesa é muitas vezes desprezada. Os erros feitos durante a sua utilização, são vários e graves, tendo os utilizadores pouco cuidado com o que escrevem e procuram. Aliás, criou-se mesmo uma nova linguagem neste dispositivo com trocas de x e de s. Coerente? Nem por isso, a verdade é que na Internet não tem sido dado o real valor da língua portuguesa. Um dos espólios mais importantes de um povo, portanto é necessário cada mais proteger e preservar esta língua para não correr o risco de perde-la no futuro.