Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Num passado de indefinições, um presente intermitente em que um futuro ambicioso se avizinha

Um Mar de Recordações

Sala de Cinema (41) – V de Vingança

V de Vingança, um dos filmes mais polémicos e emblemáticos, é o destaque na vigésima terceira edição da Sala de Cinema. O thriller realizado por James McTeigue é uma adaptação da série de banda desenhada com o mesmo nome criada por Alan Moore e David Lloyd. As críticas foram bastante positivas, sendo nomeado para o Prémio Hugo de Melhor Apresentação Dramática. A revista Empire classificou esta longa-metragem como o 418º melhor filme de todos os tempos.

Este thriller político contém um enredo entusiasmante e repleto de momentos alucinantes. Na paisagem futurista de uma Inglaterra totalitária (que faz lembrar a Alemanha nazi), V de Vingança conta a história de uma jovem chamada Evey (Natalie Portman), que é resgatada de uma situação de vida e morte por um homem mascarado, conhecido apenas como “V” (Hugo Weaving). Incomparavelmente carismático, V inicia uma revolução quando pede que todos se ergam contra a tirania e opressão. Será que consegue trazer a liberdade e justiça de volta a uma sociedade repleta de crueldade e corrupção?

Este argumento sombrio e provocador é visualmente eficaz, não é surpresa que se torne num dos filmes mais apreciados da última década! A mensagem implícita impressiona pela frontalidade e exuberância. A sensação com que fico é que V de Vingança criou uma reputação forte com o legado que criou. No que diz respeito às interpretações, destaco o fantástico trabalho de Hugo Weaving que consegue criar uma personagem inteligente e memorável. Sem nunca vermos o seu rosto, esbanja carisma a cada cena. É da sua autoria os melhores momentos desta longa-metragem!

O filme acabou por ser interpretado por muitos grupos políticos como uma alegoria da opressão do governo. A popularidade da mensagem deste filme ganhou notoriedade através das máscaras que foram adoptadas nas mais recentes manifestações em todo o mundo. Aliás, o Anonymous, um grupo baseado na Internet, escolheu a máscara de Guy Fawkes como seu símbolo. Esta máscara acabou por tornar-se um ícone da revolução popular dando ao filme um maior protagonismo e a oportunidade de ficar ligado na história para a prosperidade. 

 O que é mais vos empressiona na persongem "V"? Qual pensam ter sido o maior legado que este filme deixou? As manifestações recentes são uma justa interpetação à mensagem do V de Vingança?

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Páginas Folheadas (7) – A Chave para Rebecca

Há algumas semanas tive oportunidade de mergulhar num livro que me encantou pelo seu enredo e respectivo desenvolvimento. A Chave para Rebecca, do britânico Ken Follett, foi uma fantástica surpresa. Publicado originalmente em 1980, tornou-se um enorme sucesso literário a nível mundial. Em Portugal, a obra foi editada recentemente pela Bertrand Editora.

Elogiada pelo detalhe histórico com que descreve o Égipto durante a Segunda Guerra Mundial, A Chave para Rebecca é um thriller cativante da primeira à última página. A obra decorre durante o Verão de 1942, num momento em que Rommel parece quase imbatível, aproveitando o espião Alex Wolff e um código fatal enterrado nas páginas do romance de Daphne de Maurier – Rebecca. Wolf cruza o escaldante deserto do Saara e entra no Cairo para roubar os planos militares britânicos. Enquanto isso, o  major Vandam encontra-se no seu encalço e encarrega a encantadora Elene de seduzi-lo. À medida que as tropas de Rommel se aproximam da vitória, a perseguição desenrola-se no deserto até chegar a um confronto impressionante e explosivo… Qual das duas facções vai sair por cima?

Algo que me agradou bastante nesta obra foi ver como era a espionagem antes da era tecnológica e entender como as coisas evoluíram tão rapidamente. De facto, para quem gosta de uma boa intriga este é o livro certo, quando se começa a ler é complicado não ficar deliciado com estas páginas de cortar a respiração. Ao longo de todo o enredo, há uma tensão que vai crescendo e que é muito bem explorada por Ken Follett. A capacidade narrativa do britânico é extraordinária, confesso que adoro a forma como ele escreve. Através de descrições fantásticas fazemos quase uma viagem no tempo para assistir a todos os acontecimentos. Além disso, destaco a riqueza e diversidade de personagens, é fácil ficar ligado com os diversos caminhos tomados por cada elemento da história. Cada um acaba por lutar contra os seus fantasmas…

Aproveitando o sucesso, a obra acabou por ganhar uma versão cinematográfica. Em 1985, o filme estreou nas televisões numa longa-metragem dividia em duas partes com quatro horas de duração. As filmagens decorreram na Tunísia e o director da adaptação foi o inglês David Hemmings.

Imagem retirada de: http://portalivros.wordpress.com/ 

Quem já leu este livro? Qual é a vossa opinião sobre a escrita de Ken Follett? Gostam de livros que retratam acontecimentos históricos?

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Sala de Cinema (23) – V de Vingança

V de Vingança, um dos filmes mais polémicos e emblemáticos, é o destaque na vigésima terceira edição da Sala de Cinema. O thriller realizado por James McTeigue é uma adaptação da série de banda desenhada com o mesmo nome criada por Alan Moore e David Lloyd. As críticas foram bastante positivas, sendo nomeado para o Prémio Hugo de Melhor Apresentação Dramática. A revista Empire classificou esta longa-metragem como o 418º melhor filme de todos os tempos.

Este thriller político contém um enredo entusiasmante e repleto de momentos alucinantes. Na paisagem futurista de uma Inglaterra totalitária (que faz lembrar a Alemanha nazi), V de Vingança conta a história de uma jovem chamada Evey (Natalie Portman), que é resgatada de uma situação de vida e morte por um homem mascarado, conhecido apenas como “V” (Hugo Weaving). Incomparavelmente carismático, V inicia uma revolução quando pede que todos se ergam contra a tirania e opressão. Será que consegue trazer a liberdade e justiça de volta a uma sociedade repleta de crueldade e corrupção?

Este argumento sombrio e provocador é visualmente eficaz, não é surpresa que se torne num dos filmes mais apreciados da última década! A mensagem implícita impressiona pela frontalidade e exuberância. A sensação com que fico é que V de Vingança criou uma reputação forte com o legado que criou. No que diz respeito às interpretações, destaco o fantástico trabalho de Hugo Weaving que consegue criar uma personagem inteligente e memorável. Sem nunca vermos o seu rosto, esbanja carisma a cada cena. É da sua autoria os melhores momentos desta longa-metragem!

O filme acabou por ser interpretado por muitos grupos políticos como uma alegoria da opressão do governo. A popularidade da mensagem deste filme ganhou notoriedade através das máscaras que foram adoptadas nas mais recentes manifestações em todo o mundo. Aliás, o Anonymous, um grupo baseado na Internet, escolheu a máscara de Guy Fawkes como seu símbolo. Esta máscara acabou por tornar-se um ícone da revolução popular dando ao filme um maior protagonismo e a oportunidade de ficar ligado na história para a prosperidade. 

 

Avaliação: {#emotions_dlg.star}{#emotions_dlg.star}{#emotions_dlg.star}{#emotions_dlg.star}
O que é mais vos empressiona na persongem "V"? Qual pensam ter sido o maior legado que este filme deixou? As manifestações recentes são uma justa interpetação à mensagem do V de Vingança?