Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

Um bom natal para todos!

O Natal está quase a chegar, é impossível não ficar mergulhado na magia e no encanto desta época festiva. Os enfeites mergulham as cidades e dão uma cor e ambiente especial, as luzes transmitem uma iluminação diferente e dão uma nova vida aos locais. Mas acima de tudo esta é uma época de partilha, proximidade e amor. Confesso que o que mais gosto desta altura são as refeições com a família, a oportunidade estar com aqueles que gostamos mais. Para mim, esses são mesmo os melhores momentos. Na minha perspectiva são essas Alturas que valem a pena e que devem ser aproveitados ao máximo. Além disso, a comida e doces são simplesmente fantásticos. Uma autêntica perdição que faz as delicias de todos. Assim sendo e para terminar desejo a todos os meus seguidores, leitores e visitantes uma quadra natalícia replete de muito amor e felicidade!

Imagem retirada do site: http://blog.opovo.com.br/ 

 
 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Questões inevitáveis (17) – Especial Natal

A poucos dias do Natal era inevitável falar sobre esta época festiva e assim aproveito uma das rubricas habituais deste blogue para debater um pouco sobre a quadra natalícia. Aquele que é o principal feriado cristãos suscitou uma forte tradição que ultrapassou a mensagem religiosa e se tornou enraizada na sociedade.

As decorações, a árvore de Natal, o presépio e o Pai Natal são símbolos icónicos que fazem as delícias de crianças e adultos. Mas aquilo que devia ser uma quadra que prima pela união familiar e a solidariedade transformou-se num negócio capitalista que leva as pessoas a ficarem completamente loucas por compras num centro comercial. O aumento da actividade ecónomica cresce de forma abismal, tornando-se um período chave para muitas lojas e empresas. De facto, o impacto económico do Natal é um fator que tem crescido de forma constante ao longo dos últimos séculos em muitas regiões do mundo.

Assim, é neste prima que me questiono se as bases do Natal estão perdidas. Será que o espírito natalício se perdeu ou ainda existe? Com esta mudança de paradigma está em risco a essência do verdadeiro Natal?  

O capitalismo colocou em causa o Natal? Ainda é possível celebrar esta época de uma forma mais tradicional virada para os sentimemtos e menos para o sector comercial?

 

Desejo a todos os meus seguidores, leitores e visitantes uma quadra natalícia repleta de muito amor e felicidade!