Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

12.Fev.11

Sala de cinema (1) – O Discurso do Rei

Hoje trago-vos a estreia de uma nova rubrica no blogue: a Sala de Cinema. O intuito desta iniciativa prende-se com a mundialização que o cinema tem sido alvo, sendo rara a pessoa que diz que não gosta de ver um filme. Nesse sentido, este espaço vai servir para eu colocar alguns dos filmes que mais gosto e os que mais desejo ver.

 

E o vencedor é… o Discurso do Rei! Foi assim a 83.ª edição dos Óscares que coroou este filme britânico com quatro estatuetas em doze possíveis. O filme dirigido por Tom Hooper (que também arrecadou um Óscar) foi na madrugada de 28 de Fevereiro eleito o melhor filme do ano de 2010 e na publicação de estreia da ‘Sala de Cinema’ é lhe atribuído o (merecido) destaque pelo feito. A película, que contém várias citações reais, conta a história do Rei George VI e dos seus problemas na fala. O rei inglês deve superar a sua gaguez e fazer um discurso a toda nação para unir seu povo e inspirá-los na batalha (II Guerra Mundial). A sua componente visual, a actuação e a respectiva direcção tornam o Discurso do Rei um dos melhores filmes dos últimos tempos. Deixo-vos com o trailer daquele que foi o grande vencedor da noite de Los Angeles:

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

07.Fev.11

Ingresso no Ensino Superior

É talvez o momento crucial no que diz respeito à vida académica dos alunos que pretendem seguir para a aventura que é o ingresso no Ensino Superior. Inicialmente, a dura escolha é, sem dúvida, qual o curso mais adequado, na medida em que, este virá a ser a especialização para um trabalho futuro, tornando-se assim uma decisão importante! Talvez uma das opções mais difíceis e que terá maiores proporções futuras. A escolha do instituto de ensino é mais um problema para quem conclui o ensino secundário. Qual a vertente que deve ser a mais valorizada? Longevidade ou credibilidade? Duas opções que podem não ser viáveis, visto que o sector económico é um elemento a ter em conta, a crise a isso obriga… Estes são dois obstáculos que se opõem como duas barreiras que os alunos terão que transcender para chegar ao objectivo final – a universidade. Mas tudo isto é altamente influenciado por um factor: a média, um projecto trabalhado e aperfeiçoado ao longo de três anos de estudo que terá aqui um papel fundamental. E este poderá ser o conceito chave para a escolha das duas vertentes acima referidas. Depois de todos elementos terem sido reflectidos e vislumbrados, uma longa espera aguarda estes candidatos, dias em que o entusiasmo e o nervosismo são reis e senhores nas mentes dos mesmos. Uma espera por vezes impiedosa e que proporciona muitos momentos de desassossego! Quando lhes é comunicado a entrada no Ensino Superior nasce a alegria, que transparece nos lábios e nos olhos destes corajosos que ambicionam um maior conhecimento e numerosas vivências que os marcarão para o resto da vida. Sendo que é mais fácil separarmo-nos de algo do que juntarmo-nos e adaptarmo-nos a algo novo, torna-se assim mais fácil a saída do Ensino Secundário, havendo uma natural dificuldade de integração perante um novo patamar a nível de ensino, um novo mundo, mas também de novas responsabilidades. O Ensino Superior é, de facto, um pequeno passo da longa aprendizagem que é a vida.

 

 

(O texto foi escrito quando entrei no Ensino Superior e que foi também publicado no semanário Expresso a 2 de junho de 2009)

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

03.Fev.11

Os Grandes Portugueses" (1) - José Saramago

Nome: JOSÉ de Sousa SARAMAGO

Data e Local de nascimento: Golegã, 16 de Novembro de 1922

Data e Local da sua morte: Lanzarote (Espanha), 18 de Junho de 2010

Profissão que se notabilizou: Escritor

 

Feitos importantes:

• De origem camponesa, trazido ainda menino para Lisboa, não pode ir além dos estudos secundários por dificuldades económicas. Assim, o seu primeiro emprego foi de serralheiro mecânico. Contudo, isso não o impede de aceder a meios politizados e intelectuais, onde se vai afirmando o seu gosto pela leitura e pela escrita. Pode-se então considerar Saramago como um autodidacta.

• Aos 25 anos, publica o seu primeiro romance Terra do Pecado (1947), no mesmo ano de nascimento da sua filha, Violante, fruto do primeiro casamento com Ilda Reis – com quem se casou em 1944 e com quem permaneceu até 1970.  Em 1988, casar-se-ia com a jornalista e tradutora espanhola María del Pilar del Río Sánchez, que conheceu em 1986 e ao lado da qual viveu até à sua morte.

• Em 1955 e para aumentar os rendimentos, começou a fazer traduções de Hegel, Tolstoy e Baudelaire , entre outros. Mais tarde, em 1971, entra na redacção do Diário de Notícias. Como crítico literário, colaborou ainda na revista Seara Nova e no jornal Diário de Lisboa. Em Abril de 1975 é director-adjunto do DN, mas a 25 de Novembro foi demitido do jornal.

• A partir de 1976, numa situação de desemprego toma uma das mais importantes decisões da sua vida: dedicar-se exclusivamente à escrita, passando a viver, exclusivamente do seu trabalho literário. As marcas características do estilo "saramaguiano" viriam a aparecer com o Levantado do Chão (1980).

• Dois anos depois de Levantado do Chão, surge o romance Memorial do Convento, livro que conquista definitivamente a atenção de leitores e críticos. A partir daí, Saramago publica mais de uma dezena de livros com sucesso assinalável , tendo ganhou diversas distinções com as suas obras, ao longo da sua carreira literária. Em 1998, foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura dando a Portugal e à língua portuguesa a grande estreia na modalidade.

 

Romances publicados:

Terra do Pecado, 1947

Manual de Pintura e Caligrafia, 1977

Levantado do Chão, 1980

Memorial do Convento, 1982

O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984

A Jangada de Pedra, 1986

História do Cerco de Lisboa, 1989

O Evangelho Segundo Jesus Cristo, 1991

Ensaio Sobre a Cegueira, 1995 (Prémio Nobel da literatura 1998)

Todos os Nomes, 1997

A Caverna, 2000

O Homem Duplicado, 2002

Ensaio Sobre a Lucidez, 2004

As Intermitências da Morte, 2005

A Viagem do Elefante, 2008

Caim, 2009

Claraboia, 2011

 

 

 

Segue-me em:

Sapo || Facebook || Twitter || Instagram || Youtube || Bloglovin' ||

Pág. 2/2