Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

14.Abr.12

"Os Grandes Portugueses" (11) - Xutos & Pontapés

Nome: Xutos & Pontapés

Data e Local de Nascimento: Almada, 20 de Dezembro de 1978

Profissão que se notabilizou: Grupo Musical

 

Feitos importantes: 

  • Zé Pedro (guitarra ritmo), Kalú (bateria), Tim (baixo e voz), João Cabeleira (guitarra solo) e Gui (saxofone) são os cinco elementos que constituem os Xutos & Pontapés, uma das bandas portuguesas com maior sucesso. Oriunda de Almada, o grupo juntou-se através de vários anúncios de jornais tendo o seu primeiro ensaio a 20 de Dezembro de 1978.
  • Apesar de terem dado o primeiro concerto a 13 de Janeiro de 1979, apenas em Março de 1981 é que o grupo tira a carteira profissional. Um ano depois sai o compacto 1978-1982, primeiro álbum da banda, com músicas marcantes como "Sémen" e "Mãe". A explosão mediática começou em 1987 com o álbum Circo de Feras e os seus mega sucessos "Contentores", "Não sou o único" e "N'América".
  • Na década de 90, o grupo entra em crise interna, com os seus elementos a iniciarem outros projectos. Tim integra os Resistência, Zé Pedro e Kalu abrem o bar Johnny Guitar e integram a banda de Jorge Palma, Palma's Gang, com Flak e Alex, ambos dos Rádio Macau. Os problemas acabaram por ser solucionados e a banda reagrupou-se e voltou às luzes da ribalta.  
  • Com uma carreira com mais de três décadas, este grupo musical  já editou mais de dez discos originais e diversas canções de sucesso. Em 2004, os membros dos Xutos & Pontapés  foram agraciados pelo Presidente da República Jorge Sampaio com o grau de Comendador da Ordem do Mérito.
  • Ao longo de 2009, em comemoração do seu 30.º aniversário, foi reeditado toda a discografia da banda em vinil (foram lançadas apenas 500 unidades limitadas). Em Setembro do mesmo ano, a banda actuou perante 40 mil espectadores no estádio do Restelo. O concerto durou três horas, uma para cada década do mediático grupo nacional. Esse momento ajudou a banda a arrecadar o prémio EMA na categoria de "Best Portuguese Act".

Discografia:
• 78/82 (1982)

• Cerco (1985)

• Circo de Feras (1987)

• 88 (1988)

• Gritos Mudos (1990)

• Dizer Não De Vez (1992)

• Direito ao Deserto (1993)

• Dados Viciados (1997)

• Tentação (1998)

• XIII (2001)

• Mundo ao Contrário (2004)

• Xutos & Pontapés (2009)

• O Cerco Continua (2012)

• Puro (2014)

09.Abr.12

Momento de glória

Sou teimoso, admito que sim. Quando coloco algo na cabeça é muito difícil de desistir a meio. Quase impossível , na verdade. Sofro de teimosia crónica, mas os objectivos servem para ser ultrapassados… Reconheço que o desejo já vinha de algum tempo, mas por infortúnio do destino andava a ser sucessivamente adiado. Este ano chegou finalmente a hora de treinar até atingir o objectivo. Irónico. No ano passado, tinha coberto este mesmo evento, a vida é feita destas peculiaridades.
7 km era a meta, uma distância que se tornou a minha obsessão , o meu desejo. Comecei a treinar tarde para atingir um bom tempo, mas dei tudo de mim. Tudo o que tinha. O desejo era fazer essa distância sem parar, o tempo não era importante. Chegar a meta isso sim era indispensável. O meu desafio. Durante um mês, a fazer chuva, sol ou frio corri. Corri como se aquele fosse o último dia da minha vida.
Senti que estava na melhor forma física possível , mas o meu joelho direito cedeu alguns dias antes da prova. Tive de descansar, mas nunca parei. Mantive-me na luta. Devia ter desistido, mas fazê-lo era assumir que falhei num objectivo a que me tinha proposto. Era fazer com que aquela dor tivesse sido em vão. Não o fiz, corri. Corri como um louco, quis provar algo a mim mesmo. Afastar todos os fantasmas. Nada me podia parar. Após dia 25 de Março tinha todo o tempo para descansar.
No grande dia, um cordão humano impressionante numa manhã solarenga. A festa estava montada, mas eu estava lá para competir, para lutar pelo melhor tempo. Não consegui ficar perto da partida, mas mal tive o sinal para iniciar a marcha, ataquei com tudo o que tinha para chegar mais perto do pelotão da frente. Lá fui eu no meio de 37 mil pessoas a passar por uma das construções mais emblemáticas do país. Que sensação arrebatadora poder estar a viver este momento. Uma luta impressionante para ultrapassar cada quilometro.
Durante a corrida, o meu corpo voltou a pregar-me partidas. Quis parar, mas nunca acedi. Por muitas dores que tivesse, nunca o faria. Sim sou teimoso, mas nada me faria parar. Estava numa missão: correr até à meta. Resisti às barreiras que apareceram, nunca parei de lutar. Consegui correr os 7 km de prova e fi-lo sem parar. O desejo tinha finalmente sido realizado. Uma felicidade invadiu-me, um sentimento de dever cumprido. Apesar das dificuldades, atingi este pequeno objectivo e soube bem fazê-lo. Tenho que admitir, por vezes, a teimosia é tão boa companheira… 

 

04.Abr.12

Questões inevitáveis (11)

Neste mês chegamos à décima primeira edição de Questões Inevitáveis que vai ser dedicado ao 25 de Abril, um espaço neste blogue que passa por uma questão actual que tem como objectivo levantar uma discussão (saudável) entre os leitores. No 38.º aniversário da ‘Revolução dos Cravos’, a população queixa-se que cada vez tem menos liberdade.
Por seu lado, hoje foi anunciado que pela primeira vez, a Associação 25 de Abril não vai participar nas celebrações oficiais da Revolução dos Cravos. Vasco Lourenço, justificou à Agência Lusa, que “a linha política seguida pelo actual poder político deixou de reflectir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril configurado na Constituição da República Portuguesa”. Faz sentido esta medida nesta altura? Os valores desta revolução estão, de facto, ameaçados? E tu, qual é a tua opinião?

 

O que significa para ti o 25 de Abril? Faz sentido as críticas de que os valores da revolução estão a degradar-se?

 

Pág. 2/2