Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

13.Abr.16

A vida num sopro...

Miguel Alexandre Pereira
Corre, vive, sonha... Supera-te, não imponhas limites aos teus objectivos.Tu és capaz de qualquer coisa! Ousa sempre fazer algo melhor do que aquilo que fizeste no dia anterior, nunca te deixes estagnar em algo. Procura sempre evoluir mais um pouco porque é sempre possível crescer mais. A vida é feita de evolução, de crescimento. Por isso nunca deixes ninguém dizer que tu não és capaz de conquistar algo, mostra-lhe que consegues fazer ainda mais. No fundo, nunca deixes de te (...)
14.Mar.16

Um momento de glória…

Miguel Alexandre Pereira
Na teimosia do momento, aquele jovem decidiu partir numa louca aventura. Correr uma maratona! Era alguém incapaz de desistir de um desafio. Sofria de uma teimosia crónica, até porque os objectivos serviam para ser ultrapassados. E esse dia tinha finalmente chegado, aquela era a hora de cumprir aquele ambicioso desejo! 42 km era a meta, uma distância que se tornou a sua obsessão , o seu grande objectivo. Assim que ouviu o disparo da partida, começou a dar tudo o que tinha. O desejo (...)
21.Jan.16

O importante é insistir

Miguel Alexandre Pereira
Erguem-se desafios, alguns parecem ser quase inalcançáveis . Contudo, por mais difíceis que esses obstáculos sejam não vou ficar parado, vou continuar a lutar em buscar de uma oportunidade para brilhar. Não vou descansar até voltar a tê-la! Não vou ser derrotado, apenas descanso quando conseguir conquistar um lugar que mereço. Reconheço que esta é uma estranha sensação, mas tenho que aproveitar as oportunidades a que isso me permite. Posso preparar-me para quando o momento (...)
10.Nov.15

A perseguição do homem sem face

Miguel Alexandre Pereira
A hora era tardia e ninguém estava na ruas, Diana, de 20 anos, tinha saído do escritório onde estava a ter a sua primeira experiência de trabalho e logo numa cidade que pouco conhecia. De longos cabelos negros e de olhos de avelã, a jovem espalhava uma beleza invulgar. Estava nervosa, pois desde que tinha saído do trabalho tinha sentido que estava a ser seguida. Nunca tinha conseguido ver a cara dessa pessoa que escondia-se sucessivamente nas sombras. Num momento de desespero (...)