Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

30.Nov.14

Remorsos de uma atitude intempestiva

Miguel Alexandre Pereira
Largou um longo e arrasador suspiro. Encontrava-se diante daquele antigo espelho há alguns minutos sem se conseguir mover, parecia estar a querer ganhar força para dar o passo seguinte. Várias lágrimas caíam-lhe de uma face lastimável pelas poucas horas de sono do dia anterior. Não podia voltar a acobardar-se, tinha adiado aquilo demasiadas vezes. Decidira finalmente buscar os seus pertences à casa que tinha abandonado há três meses. Desaparecera sem dar qualquer explicação à (...)
19.Nov.14

O anel de memórias

Miguel Alexandre Pereira
Abriu a gaveta, ao tirar um pano para limpar os seus óculos sujos reparou naquele anel. Ali estava ele, meio escondido para que não se recordar daquela constante pontada no coração. Largou um sorriso amargurado pelas recordações e sentimentos que emanavam daquele pequeno objecto. Quando casou ingenuamente imaginou que o resto da sua vida seria uma caminhada romântica de felicidade. “Que patético era!”, gemeu desolado enquanto fumava o último cigarro do maço que tinha (...)
19.Ago.14

Em busca de um livro perfeito

Miguel Alexandre Pereira
Percorria demoradamente a livraria, estava em busca do livro perfeito. Andava sempre à procura de uma nova obra que a encantasse. Era um vício que não conseguia parar, encontrava sempre algo novo para ler, no fundo uma nova aventura para imaginar. Esse era o seu escape para uma vida cinzenta e sisuda. Aquela era a sua forma de viver a vida que tantas vezes sonhava. Não era uma jovem triste, apenas era acomodada. Vivia naquela tensão persistente sem ter coragem de dar o próximo passo. N (...)
11.Ago.14

O prazer da leitura

Miguel Alexandre Pereira
O sol começava a pôr-se, tapada com um chapéu de sol, uma jovem morena, na casa dos 20 anos, encontrava-se sentada num banco de jardim despreocupadamente . Não tinha nenhum pormenor que a destacasse. Os seus olhos castanhos estavam mergulhados num pequeno livro. Permanecia assim há horas, tinha decidido passar aquela tarde numa leitura intensiva de um clássico da literatura nacional. Perdia-se naquelas doces e intensas palavras, viajava naquele mundo que era a sua imaginação. Era (...)