Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

03.Mar.16

Solidão de artista

Miguel Alexandre Pereira
Estava a tornar-se a cada dia que passava um musico mais conhecido e reputado. Cantava apaixonadamente as letras mais bonitas de amor.  Fazia-o com tal intensidade que pareciam ser as suas histórias que contava. Levava a crer que vivia um amor intenso e genuíno quando no fundo não era verdade. As poucas relações que tivera revelavam-se um autentico fiasco, o amor não lhe tinha dado mais para além de desilusão e frustração.Era bem parecido, possuía um charme natural e traços de (...)
03.Fev.16

A amar-te desde 2010

Miguel Alexandre Pereira
Uma vez escrevi que o amor não tem datas, é um sentimento que ultrapassa essas banalidades. O amor é para ser vivido e preservado diariamente de uma forma tão única e intensa. É algo tão singular, não se procura, pois simplesmente aparece de forma arrebatadora inesperada. Assim foi em 2010 e continua a sê-lo hoje. É impressionante como o tempo correu num suspiro, sinal de que foi (...)
08.Dez.15

Recordação...

Miguel Alexandre Pereira
Hoje não passas de uma memória, de uma simples e bela recordação. Hoje és o passado que já foi o meu futuro. Consigo ver-te nesta espiral de recordações, neste longo mar de recordações. Sempre foste a pessoa que mais amei que mais me tocou, mas hoje choro por ti! Chove e tu não podes fazer nada. Sempre foste tão forte e agora nem consegues abrigar-te da chuva! Nunca pensei ver-te assim, caiem-me lágrimas de olhar e não poder ver-te, a partir de agora és apenas e só uma (...)
10.Ago.15

Perdição...

Miguel Alexandre Pereira
- Está uma noite amena amor – afirmei, sem esconder um sorriso provocador.- Sim, sabe tão bem ter saído para poder estar aqui – respondeste, fingindo não perceber a mensagem, mas os teus olhos mostravam o contrário. Adoras provocar-me.Saímos do meu carro, deste-me a mão e começamos a caminhar. Apesar de ser Outono, a noite estava inexplicavelmente quente e muito convidativa. Nada podia ser mais perfeito, parece que tudo se tinha enquadrado para correr bem. Enquanto andávamos (...)