Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

27.Dez.17

A minha nova aventura no mundo literário - Do Mosto à Palavra!

Miguel Alexandre Pereira
Como acabar o ano de 2017 da melhor forma possível? Com uma boa surpresa, pois claro! Hoje vou partilhar com vocês uma grande novidade que me deixa bastante feliz e motivado, a publicação do meu conto na colectânea 'Do Mosto à Palavra | Vol. I'. No fundo, mais um importante passo na minha aventura literária! Primeiro, uma curta contextualização. Em Maio deste ano participei na primeira edição do Prémio Literário Do Mosto à Palavra, um concurso organizado pela Chiado (...)
14.Jan.16

Miguel, então o que está a dar? (3)

Miguel Alexandre Pereira
Para comemorar a chegada aos 200 subscritores no Youtube decidi fazer uma pequena colectânea de alguns vídeos no meu canal (link aqui) para vos dar a conhecer o trabalho que estou a fazer nesta plataforma e também para vos incentivar a seguir caso tenham interesse no conteúdo. Além disso, esta é uma rubrica que já não publicava há imenso tempo, portanto é bom trazê-la ao activo neste (...)
02.Nov.15

1 ano de A Analogia da Morte

Miguel Alexandre Pereira
Há 365 dias atrás estava numa livraria completamente nervoso, na verdade estava totalmente em pânico. Não queria esquecer-me de nada de relevante, estava pronto para dizer as palavras certas. Vivia, enfim, o sonho. A concretização de um sonho de criança: a publicação de um livro da minha autoria. Passou um ano desde aí, quem diria? Bolas, parece que tudo foi tão recente, os meses passaram tão rápido... Ainda assim, tudo continua tão presente, cada pequeno pormenor. Confesso (...)
28.Out.15

Meras palavras...

Miguel Alexandre Pereira
Palavras, meras palavras. Para mim, um autêntico vício que não consigo largar, que está preso a mim. No fundo, fazem parte de mim de uma maneira especial e autêntica. Escrevo porque preciso, pois tenho essa necessidade constante em mim. Vivo intensa e incansavelmente nesse transe marcado pela crença de encontrar a palavra certa. Com o desejo infinito de escrevê-la com a alma. Num paradoxo entre a verdade e o sentimento. Não desisto de encontrar essa sensação, persisto nessa (...)