Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Recordações

Um Mar de Recordações

10.Nov.15

A perseguição do homem sem face

Miguel Alexandre Pereira
A hora era tardia e ninguém estava na ruas, Diana, de 20 anos, tinha saído do escritório onde estava a ter a sua primeira experiência de trabalho e logo numa cidade que pouco conhecia. De longos cabelos negros e de olhos de avelã, a jovem espalhava uma beleza invulgar. Estava nervosa, pois desde que tinha saído do trabalho tinha sentido que estava a ser seguida. Nunca tinha conseguido ver a cara dessa pessoa que escondia-se sucessivamente nas sombras. Num momento de desespero (...)
07.Mai.15

Um salto glorioso

Miguel Alexandre Pereira
Um majestoso gato cinzento baloiçava pelos galhos de uma pequena árvore, os seus olhos verdes estavam concentrados no seu alvo. Perto daquela zona um pequeno rato esgueirava-se por aquela ruela deserta. A noite estava gelada, um vento desconfortável afastava qualquer um das ruas. Enquanto isso o felino esperava sossegado e pacientemente pelo melhor momento encontrando-se escondido por uma longa vegetação. Astutamente preparava-se para o seu salto glorioso. Os seus olhos (...)
26.Jun.13

Um encontro surpreendente

Miguel Alexandre Pereira
Não podia deixar de se emocionar ao ler aquilo. O voo tinha sido atrasado por mais uma hora, o que queria dizer que ainda tinha hipóteses de a encontrar. Voltou a correr deixando à sua passagem o piso molhado pela chuva que tinha apanhado pelo caminho. Ignorou o olhar reprovador de uma funcionária que estava a limpar uma zona ali perto. Não queria saber de nada, apenas queria agarrar aquela nova oportunidade que o destino lhe tinha concedido. Percorreu rapidamente as pequenas lojas (...)
17.Jun.13

Perdido no aeroporto

Miguel Alexandre Pereira
Impossível! Não ia deixar a pessoa mais especial da sua vida partir daquela maneira. Iria lutar até ao fim, até que as suas forças acabassem. Não ia desistir tão facilmente, desta vez não. Não podia deixar sentir alguma responsabilidade por aquilo que estava a acontecer, tinha que a ver por uma última vez! A chuva caia descontroladamente, a cada minuto a força parecia aumentar. Não se importou com isso, iniciou novamente a marcha. Desesperadamente, começou a correr o mais (...)